Serjão Carvalho/Estadão
Serjão Carvalho/Estadão

Lollapalooza 2018: artistas nacionais ficam com os piores horários

Dos artistas brasileiros, Mano Brown foi a única exceção que se apresentou no horário nobre do festival

João Paulo Carvalho, O Estado de S.Paulo

25 Março 2018 | 21h23

Mano Brown foi a única atração nacional da sétima edição do Lollapalooza Brasil que se apresentou, digamos, em um horário nobre. Ele subiu no Palco Axe, no sábado, às 18h20. A banda paulistana O Terno, talvez a melhor do rock brazuca na atualidade, chegou perto disso. Eles fizeram show também no sábado, às 16h20, no Palco Axe. Exceções feitas a essas duas atrações (não se deve levar em conta as baladas “topzeiras” de Alok, no Palco Perry, na sexta-feira, 23, a partir das 22h), todo o line-up brasileiro ficou com os piores horários do festival.

+++Lollapalooza 2018: Festival sofre mutação e aposta em medalhões e entretenimento

Dessa forma, bandas de destaque do cenário musical foram responsáveis apenas por abrir os trabalhos dos respectivos palcos em que se apresentariam. Artistas como Francisco, el Hombre, Selvagens À Procura de Lei, Tagore e Mahmundi se apresentaram para um público pequeno e pouco expressivo. Talento ali, entretanto, havia de sobra para que eles abocanhassem um horário melhor.

Até mesmo artistas mais consagrados e com uma boa rodagem no mundo da música sofreram com isso. As cantoras Mallu Magalhães e Tiê e a banda Vanguart, por exemplo, já não são iniciantes. As três possuem uma legião de fãs espalhadas pelo Brasil e, mesmo assim, foram premiadas com o calor e o sol do meio-dia.

+++Lollapalooza 2018: Com pop sólido, Lana Del Rey encanta o público

Reclamações à parte, muito desse questionamento se deve ao fato de alguns artistas pouco conhecidos do grande público terem se beneficiado de melhores condições para tocar. A banda californiana The Neighbourhood, por exemplo, se apresentou no Palco Budweiser enquanto o duo britânico sem sal Oh Wonder ficou com um bom horário no Palco Axe na última sexta-feira, 23.

Sem som. Além dos horários ruins, um fato inusitado marcou a apresentação de Liniker e os Caramelows no sábado, 24. Durante a execução da música Zero, maior hit da banda, o som parou de funcionar. Um problema com um dos PAs do palco, quando faltavam três músicas para o fim do show, impediu o grupo de continuar sua performance. O PA é o responsável por emitir o som que a plateia escutará. O problema foi rapidamente corrigido para as apresentações posteriores do Palco Onix, mas chama a atenção o fato de isso ter acontecido apenas com uma artista brasileira.

Em 2001, na terceira edição do Rock in Rio no Brasil, vários artistas brasileiros boicotaram o festival. Eles exigiam melhores horários para se apresentar. Um novo boicote, dessa vez no Lollapalooza, não traria nenhum resultado significativo. Muito pelo contrário, a escalação dos artistas nacionais foi muito bem feita. 

Cabe, no entanto, à produção e organização do festival pensar em um jeito justo e igualitário de dar mais visibilidade e relevância aos artistas brasileiros. Um palco só com música brasileira, quem sabe. A decisão de colocar artistas nacionais apenas no início desvaloriza trabalhos maravilhosos que estão sendo feitos no underground, a muitos quilômetros do mainstream radiofônico Procurada pela reportagem, a Time For Fun, produtora do festival, disse que todos os artistas são avisados previamente sobre os horários dos respectivos shows no Lollapalooza. 

 

Mais conteúdo sobre:
música Lollapalooza O Terno Mano Brown

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.