Assine o Estadão
assine

Cultura

Lollapalooza

Lollapalooza 2016: Of Monsters and Men são prejudicados pelo som

Mais da metade do público, acomodado nas partes altas do palco Onix, não ouviu quase nada

0

Julio Maria,
O Estado de S.Paulo

12 Março 2016 | 18h01

O som do palco Onix não deu conta da idolatria surpreendente que cerca a banda islandesa Of Monsters and Men. Quando surgiu,  às 17h15, a banda da vocalista Nanna Bryndis avistou uma multidão de mãos erguidas à frente do palco. Ao fundo,  no entanto,  a reação era de indignação. A música chegava como se saísse de um radinho de pilha. O som dos palcos vizinhos era mais alto.

Em um momento tenso,  as pessoas começaram a descer as pressas para ficarem mais próximas do palco, o que quase causou tumulto. Comparado com o festival do ano passado,  a qualidade do som era bem pior e o volume, muito mais baixo.

O palco Onix é montado em um vale. A plateia que se aglomera na parte plana curtiu bem o show, mas a multidão que se aglomerou na região mais alta, algo equivalente a mais da metade do público,  não teve chances. Muitos desistiram e migraram para outros shows. 

Nanna tem algo de Bjork na voz e uma postura transgressora quando toca o bumbo que abre seu show, ao lado do violonista Ragnar Ragg.  O grupo tem uma vibração que o faz ser rotulado como folk islandês,  mas não é bem isso. Há violões o tempo todo, mas também um peso e certa tensão sobretudo nos vocais de Nanna. A dica para quem for aos shows do palco Onix no domingo, 13, é chegar mais cedo e pegar lugares perto do palco. O primeiro grande furo do festival é a qualidade do som. 

Mais conteúdo sobre:

Comentários