1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

‘Loki’ ou ‘bolor’, Arnaldo Baptista é essência da psicodelia tropical

- Atualizado: 03 Janeiro 2016 | 20h 04

Nunca houve meio termo para o ex-integrante da banda Os Mutantes, que lança caixa com cinco discos

Arnaldo Baptista viveu seus anos mais criativos com intensidade maior do que qualquer um poderia esperar. Jogou-se de cabeça na psicodelia, na dor de suas canções, nos versos ora mirabolantes, ora geniais. Nunca houve meio termo para o ex-integrante de Os Mutantes. Se, no trio formado ao lado do irmão mais novo Sérgio Dias e de Rita Lee, com quem manteve um relacionamento também intenso, as invencionices de Arnaldo eram divididas, repartidas ou até podadas, a carreira solo, iniciada com o potente Loki?, de 1974, mostrou o músico na sua totalidade, entre erros e acertos.

Loki? é um alicerce fundamental para a formação do que hoje se conhece como rock psicodélico brasileiro, mesmo que em muitos momentos a guitarra fosse substituída pelo piano, instrumento dominado com maestria por Arnaldo. É daqueles álbuns que qualquer garoto ou garota precisa girar na sua vitrola e estudar, aprender. Embarcar nessa viagem com o disco voador de Arnaldo é daquelas experiências transformadoras, desde que se tenha as informações necessárias para perceber o disco como um grito de desespero. A ruptura, o coração partido motivam emoções jorradas sem filtros, em Será Que Eu Vou Virar Bolor?, Uma Pessoa Só, Te Amo Podes Crer e a trágica Desculpe.

O músico Arnaldo Baptista em 1973

O músico Arnaldo Baptista em 1973

Filho de uma compositora e pianista, Arnaldo transpira a virtuose no instrumento da mãe, assim como brinca jocosamente com a voz, como um cantor lírico com uma forte gripe. A experimentação foi levada adiante nos discos solos de Arnaldo, como Singin’ Alone e Disco Voador: Paz, e depois com a banda Patrulha do Espaço, quando Arnaldo segue um caminho trilhado por psicodélicos mundo afora: deixou as viagens sonoras e aceitou pisar por caminhos mais progressivos. As obras mais relevantes na carreira dele estão naquele álbum de 1974. Fragmentos trêmulos, pequenos gritos de socorro. Oito anos depois vem a queda e, com elas, as sequelas. Arnaldo temia a loucura, temia “virar bolor”. Frágil, fugiu como conseguiu. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX