1. Usuário
Assine o Estadão
assine

'Loki?', clássico de Arnaldo Baptista, completa 40 anos

Carlos Eduardo Oliveira - ESPECIAL PARA O ESTADO

22 Junho 2014 | 07h 00

Após Mutantes, músico mergulhou no isolamento e novos sons

BELO HORIZONTE - Corria 1974 quando o rock, mesmo sem viver momentos mais prolíficos, mostrava sua força. Com dois petardos cada um no mesmo ano, Deep Purple e o então calouro Kiss não estavam para brincadeiras. Os Rolling Stones juravam amor ao ofício (com It’s Only Rock'n'Roll), David Bowie reinventava-se em Diamond Dogs, o Queen cravava um discaço (Sheer Heart Atack), o metal afiava as garras (Judas Priest, com Rocka Rolla) e mesmo o prog rock, com Genesis e Yes, adiava com dignidade o atirar da toalha. O Brasil ainda respirava o tsunami de Secos & Molhados no ano anterior quando Gita, de Raul Seixas, e A Tábua de Esmeralda, do então Jorge Ben, falaram alto nas paradas de sucesso.

Em meio a essa efervescência, sozinho, enfurnado num sítio no alto da Cantareira (zona norte de São Paulo), um sujeito cabeludo que já experimentara fama e sucesso, faz do piano seu placebo para não sucumbir ao inferno astral e às (muitas) drogas. Então com 26 anos, já músico tarimbado, Arnaldo Dias Baptista, fundador dos lendários Mutantes, não tinha mais banda, nem mulher - Rita Lee, cantora do grupo e sua esposa, deixara-o. Também quase não tinha mais amigos e, artisticamente falando, estava falido na praça.

Loki?, o mais-que-antológico trabalho que emergiu desse abismo, completa 40 anos em 2014 como um dos melhores registro de rock brasileiro em todos os tempos. Detalhe: sem ter nenhuma guitarra. E regado a samba, funk, bossa nova, MPB, pitadas de música clássica e muito boogie woogie, com Arnaldo, pianista exímio, martelando o instrumento sem dó. Melancólico, raivoso, introspectivo, lírico ao extremo e, ao mesmo tempo, carregando (não na forma) a fúria de quem tomara diversos ‘mata-leões’ da vida, sua música é veículo para Arnaldo despir-se e cortar da própria carne, em letras brilhantes. Como brincou Tom Zé, em recente texto, revisando o monólito: “É só bateria, piano e voz? Parece uma dúzia de assassinos. Música? Nunca mais faço uma".

Produtor da então gravadora Philips (depois Polygram, hoje Universal Music), o mestre Roberto Menescal entrou em uma reunião de engravatados da companhia para mostrar a fita master das gravações. Silêncio absoluto, até alguém perguntar: "Você quer mesmo lançar isso?". Ele disse: “Quero". "Na ocasião, ninguém queria pegar aquele trabalho. Todos sabiam que ele estava cheio de problemas, achavam que estava muito louco. Pensei comigo: ‘Vou pegar a produção e ver no que vai dar’. Foi também uma forma de dar algum apoio a ele”, lembra Menescal.

Ele tomou a ponte aérea Rio-São Paulo, resgatou Arnaldo da Cantareira e as sessões começaram no estúdio Eldorado. Mas a barra ainda pesava. "A carga emocional dele era grande. Às vezes, ele dizia ‘não tô aguentando' e parávamos tudo". Contas feitas, ao final, Menescal animou-se com o resultado. "Ele fez o disco dele, não o disco que os Mutantes fariam. Isso o valorizou muito."

Baterista dos Mutantes e muito amigo do músico, Dinho Leme atendeu o convite de Arnaldo. Mas estranhou o material. "Cheguei achando que faríamos o som que a gente fazia na época, mas não era nada disso", conta. “Mesmo sabendo da genialidade dele, da qual eu era fã, foi surpresa ver que era algo mais brasileiro, meio bossa nova". Por conta disso, rolaram até desentendimentos. “Eu e o Liminha (baixista) fazíamos um take, e ele dizia que já estava bom. Mas a gente achava que podia melhorar. Ele não cedia. Como músicos, ficamos chateados. Mais tarde, vi que ele estava certo ao optar pela espontaneidade."

Washington Alves/Estadão
Zen. Em sua casa, em Belo Horizonte, Arnaldo fala do antológico trabalho

 

Atualmente, Arnaldo e a atual mulher e fiel escudeira, Lucinha Barbosa, dividem-se entre o sítio em Juiz de Fora (MG) e o apartamento decorado com quadros de sua autoria no frisson da Savassi, bairro boêmio na capital mineira. "O Loki? foi importantíssimo na minha vida. Eu precisava saber se podia ter uma carreira solo sem guitarras e sem Mutantes. Me permiti muita experimentação em função da minha solidão. Mas não esperava que fosse dar tão certo", diz, deslizando a palma da mão sobre os tigres estampados em sua camisa. “Consegui me expressar musicalmente por meio de coisas que gostava. Sempre curti samba-canção, que me lembrava do meu avô, e de ouvir a bossa nova do Zimbo Trio."

A alquimia deu certo, mas o tempero, ele não nega, veio da dor. "Me sentia abandonado. Mesmo tendo um lado totalmente independente da Rita (Lee). De certa forma, até havia uma distância entre nós. Ela me cansava um pouco, por não entender totalmente a música, no sentido mais clássico. Mas essa distância não ficou patente no disco."

Na época, por conta da descrença da gravadora, Loki? saiu 'a seco', sem marketing, divulgação, sequer show de lançamento (“O André Midani, que era o diretor, não ia com a minha cara”). Apenas um clipe foi feito por uma emissora de TV (Será Que Eu Vou Virar Bolor?), e que ainda pode ser visto no YouTube. Enquanto o CD ainda está em catálogo, Lucinha e a produtora executiva de Arnaldo, a jornalista Sonia Maia, lideram campanha comemorativa das quatro décadas, com diversas ações previstas ao longo do ano, incluindo convite para que videomakers realizem clipes das demais canções do álbum (www.arnaldobaptista.com.br).

FAIXA A FAIXA, POR ARNALDO BAPTISTA

Será Que Eu Vou Virar Bolor? "Enquanto compunha, pensava: ‘será que vou virar bolor aqui sentado?’".

Uma Pessoa Só. "É sobre a mediunidade dos Mutantes. Apesar das diferenças, havia uma união espiritual".

Não Estou Nem Aí: "Um senhor foi em casa afinar meu piano e perguntou se já tinha me dado conta que um dia iria morrer. Isso me marcou".

Vou Me Afundar Na Lingerie: "Numa época, a Rita Lee fazia desfiles para a Rhodia. Achei romântico, Me deixei levar pela beleza das manequins".

Honky Tonky: "Sou só eu, no teclado. Tem a ver com minha mãe, pianista clássica".

Cê Tá Pensando Que Eu Sou Loki? "Procurei me abrir no sentido mais total possível. Virou até filme. Nem sei se mereci".

Desculpe: "É como se eu dissesse para alguém: desculpe, baby, mas vou buscar a glória".

Navegar de Novo: "Me interesso pela velocidade da luz".

Te Amo Podes Crer: "Tem a ver com reencarnação. Todas as coisas que envolvem emoção".

ENTREVISTA

'Foi até um alívio ficar livre do Sérgio'

Por que a gíria 'loki' no título?

Um dia, fui com um amigo numa concessionária de automóveis em São Paulo, e notei que os vendedores falavam 'esse aí é loki', sobre alguém que não reparava direito nos detalhes dos carros. Fiquei com aquilo na cabeça. E tinha também aquele deus nórdico, irmão maligno do Thor, que fazia mil loucuras. Então Loki? podia ser um malandro velho, podia de ser qualquer coisa.

E como se sentia em não estar mais nos Mutantes?

Um pouco contente. Nos Mutantes, sempre havia um senão. O Sérgio (Dias, seu irmão) usava guitarras Fender e eu prefiro Gibson, eu não gostava do equipamento por ser transistor, e não valvulado. Tudo isso me incomodava, e foi até um alívio ficar livre do Sérgio. Inclusive na turnê mundial que fizemos em 2006, ele se mostrou muito pouco humilde.

Em que sentido?

Toco vários instrumentos, mas ele me colocou lá atrás, limitado a um órgão. Novamente, foi muito difícil nosso contato. Tanto que não estamos mais juntos. Eu o convidei várias vezes para ir em casa, e ele sempre se negou totalmente. Um dia, em Londres, ele comentou que equipamento valvulado não funciona bem. Pensei: como ele é burro! Mas na hora não falei nada.

Há nas músicas de 'Loki?' uma entrega visceral. Foi difícil viver esses momentos?

A tristeza me temperou. Tem vezes que o lado triste fica lindo, como acontecia com o Louis Armstrong. A emoção inspira. Tinha a ver com a Rita ter me abandonado, mas também com o lado pessoal, de ter independência financeira, casa, carro. Essas coisas me comoviam. 

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo