1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Kesha apela contra decisão de tribunal e compara contrato à escravidão

- Atualizado: 23 Março 2016 | 13h 25

Cantora tem contrato de gravação com empresas do produtor musical Dr. Luke, a quem acusou de estupro

A cantora Kesha tenta anular seu contrato para a gravação
A cantora Kesha tenta anular seu contrato para a gravação

A estrela pop Kesha apelou contra a decisão de um tribunal que a mantém vinculada a um contrato de gravação com empresas do produtor musical Dr. Luke, a quem a cantora acusou de estupro, dizendo que a decisão era similar à escravidão.

A intérprete de Tik Tok, 28 anos, tem tentando anular seu contrato para a gravação de seis álbuns com o produtor Dr. Luke, suas gravadoras associadas e a Sony Music. Mas uma juíza em fevereiro não quis liberá-la do contrato, impulsionando uma campanha #FreeKesha nas redes sociais e manifestações de apoio de grandes cantoras, incluindo Taylor Swift, Kelly Clarkson, Lady Gaga e Miley Cyrus.

Dr. Lucas, cujo nome verdadeiro é Lukasz Gottwald, negou as acusações de estupro e abuso emocional incluídas em uma ação judicial de 2014, e lançou um contra-ataque legal. Ambos os casos ainda não foram a julgamento.

"Embora (o tribunal) reconheça que a 'escravidão acabou muito tempo atrás' e que 'não se pode forçar alguém a trabalhar em uma situação na qual não quer trabalhar', a decisão do tribunal, solicitando que Kesha trabalhe para as empresas de Gottwald (Dr. Luke), alegadamente sem seu envolvimento, faz justamente isto", escreveu o advogado da cantora Mark Geragos, em um documento apresentado à corte.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX