FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Gig Nova: quarta edição vai homenagear as vozes

Sem instrumentos, os grupos Barbatuques, Sambaranda e Seis Canta se juntarão às cantoras Irene Atienza, Cibele Codonho, Patricia Bastos e Vanessa Moreno; encontros inéditos serão no próximo dia 22, na casa Tupi or not Tupi

O Estado de S.Paulo

07 Fevereiro 2018 | 20h48

Depois de três edições mostrando quase 50 instrumentistas de destaque na nova música brasileira, o projeto Gig Nova girou seus holofotes para as vozes. O Gig Nova Vozes, seguindo o formato do encontro promovido pelo Estadão desde o início de 2017, idealizado pelo jornalista Julio Maria e com coprodução de Débora Venturini, vai reunir grupos vocais, cantores e cantoras em gigs inéditas. Gig é o termo usado pelos músicos para designar grupos casuais e trabalhos temporários.

A noite já tem escalação fechada. Será no próximo dia 22, no Tupi or not Tupi (3817-7404), da Vila Madalena, a partir das 21h. Os ingressos, vendidos pelo site (tupiornottupi.net), costumam acabar em pouco tempo. A espanhola Irene Atienza, que lança agora seu disco Salitre, vai abrir a noite com um tema solo e, em seguida, cantar com integrantes do sexteto harmônico Sambaranda e ainda com o Barbatuques. A segunda gig terá um encontro entre a cantora amapaense Patrícia Bastos, dona de um dos melhores discos lançados em 2016, Batom Bacaba, com o grupo Seis Canta, egresso da escola do Auditório Ibirapuera, formado em 2012 por Amanda Temponi, Aninha Ferrini, Everton Dantas, Paulla Zeferino, Raquel Bernardes e Wilson Alves. 

A terceira gig será aberta pela paulistana Cibele Codonho, no momento em que ela lança o elogiado álbum Afinidade, que terá também a companhia do Sambaranda. O grupo fica no palco para fazer temas que estão no seu disco Delírios – Volume 1.

A noite fecha com Vanessa Moreno, nascida em São Bernardo do Campo. Ela trabalha o lançamento de seu álbum Movimento e tem uma bela parceria com o baixista Fi Maróstica, que já participou de uma das edições. Vanessa vai estar com o Barbatuques no início da quarta gig. Depois, ela deixa o palco para o encerramento com um dos mais requisitados grupos de voz e percussão corporal do País.

O Gig Nova quer identificar e reconhecer os mais criativos e talentosos artistas desse tempo. Em geral, nomes que não ganham espaços nobres da mídia. Depois de localizá-los, o jornal faz matérias de destaque sobre cada um e escolhe quem vai se apresentar com quem. Os músicos definem seus repertórios e sobem ao palco. A partir daí, todas as previsões podem ser traídas. O improviso equilibrado com algum ensaio garante momentos que só vão acontecer uma vez, naquele palco.

A ideia da edição, ao não contar com instrumentos musicais, foi lembrar que a voz é o primeiro e mais orgânico deles. E estará representada por naturezas bem diferentes. Irene Atienza carrega o drama do flamenco grandioso mesmo quando canta em português; Cibele Codonho tira emoção das curvas melódicas que ligam jazz e música brasileira; Patricia Bastos é dos pés na terra e das danças da alma; Vanessa Moreno parece poder fazer música até com ruídos. O Sambaranda traz as harmonias vocais; o Seis Canta atualiza o repertório brasileiro olhando para o futuro; e o Barbatuques pode fazer uma parede se emocionar com uma proposta que redimensiona o que se entende por voz.

Gig Nova 4

Tupi or not Tupi. Rua Fidalga, 360.

Quinta, dia 22, às 21h. Ingressos: R$ 60

Tel: 3813 7404. Site: tupiornottupi.net

 

Mais conteúdo sobre:
Gig Nova

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.