Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Formada nos anos 1970, mas só reconhecida muito depois, banda Death vem ao Brasil pela primeira vez

Música

Divulgação

Cultura

Detroit

Formada nos anos 1970, mas só reconhecida muito depois, banda Death vem ao Brasil pela primeira vez

Bobby e Dannis Hackney e Bobbie Duncan tocam em São Paulo e em Curitiba

0

Guilherme Sobota,
O Estado de S. Paulo

01 Fevereiro 2016 | 05h00

A morte está chegando e, neste caso, é uma notícia boa: a banda norte-americana Death, formada nos anos 1970 em Detroit, vem ao Brasil pela primeira vez esta semana para tocar em São Paulo e Curitiba. E se fosse apenas pelas músicas imprevisíveis e o rock-n’-roll agressivo, rápido, criativo, cheio de mensagens positivas, que antecedeu o punk rock (em pelo menos um ano) e o hardcore (em pelo menos dois), esses já seriam eventos imperdíveis.

Mas o Death tem uma história que, sozinha, também seria capaz de arrebanhar fãs de boa música – os mesmos que esgotaram dois dias de ingressos no Sesc Belenzinho, onde a banda toca na quinta, 4, e sexta-feira, 5. O outro show é no sábado, 6, no Curitiba Rock Carnival Festival – e eles vêm com álbum novo na bagagem, N.E.W., de 2015.

“Nós estamos esperando pessoas que amam o rock-n’-roll”, diz bem-humorado Bobby Hackney, baixista e vocalista do Death, por telefone, de Burlington, Vermont, em um bate-papo da banda com o Estado. “Disseram que as pessoas em São Paulo realmente gostam de música e bom rock-n’-roll. E de discos de vinil. Estamos ansiosos.”

Os três irmãos Hackney – Bobby, Dannis e David – eram adolescentes numa época em que Detroit produzia música boa como que ao abrir as torneiras, o começo dos anos 1970: Iggy Pop e os Stooges, MC5, Alice Cooper, os grandes clássicos do soul com a gravadora Motown, e vários outros. 

“Nós éramos adolescentes normais, como todos nossos amigos, íamos a shows, e a razão pela qual nós podíamos fazer isso não era porque tínhamos dinheiro, é porque minha mãe era casada com um cara que tinha um emprego de chefia de segurança na Cobo Arena, na área central de Detroit, e então a gente entrava de graça.”

O trio resolveu tocar rock a sério depois de ver, nesse lugar, Pete Townshend e o Who. 

A banda começou como Rock Fire Funk Express. Com a impressão profunda que a morte do pai dos quatro irmãos (o mais velho, Earl, nunca fez parte da banda) deixou e sob a liderança espiritual de David, o trio mudou o nome para Death (morte). “Death is real” (a morte é real), diria David na época, para convencer os irmãos.

Os shows deles, naquela época, eram escassos e “ruins”, segundo a banda. “A questão é que nos shows nós fazíamos esse som barulhento, com as viradas e os crescendos do rock-n’-roll, para um clube cheio, e todo mundo quieto, olhando para nós. Aí vinha um cara mais velho e dizia: ‘Está muito alto’. E sentava de novo”, ri Bobby.

Mesmo assim, a forte aliança que se criou entre os três, sob as ideias criativas, originais e místicas de David, produziu ensaios diários em um dos quartos da casa, um contrato breve de produção e sessões de gravação no estúdio United Sounds, algumas músicas para um álbum, uma fita master e um vigoroso EP de sete polegadas, lançado de maneira independente em 75 – o único lançamento da banda em 30 anos. 

O nome era um problema sério. O fato de três garotos negros estarem fazendo rock-n’-roll visionário, também. Todas as gravadoras rejeitaram o explosivo álbum de aproximadamente 30 minutos – o ritmo acelerado, visceral, direto e cru que seria conhecido, depois de Ramones e Sex Pistols (e muitos outros), como punk rock. Até que a então novíssima Arista Records ofereceu US$ 20 mil, com a condição de que a banda mudasse o nome. David disse não.

O tempo passou, as rejeições foram se acumulando, Bobby e Dannis se mudaram para Burlington e formaram o Lambsbread, grupo de reggae, o sustento dos dois pelos anos 1980 e 90, quando ambos encontraram esposas e tiveram família.

David morreu em 2000 – após anos e anos de tentativas, sonhos e viagens, o homem que criou a Morte e era tido pelos próximos como um gênio muito único perdeu a vida para um câncer de pulmão. O líder espiritual do Death nunca viu a banda alçar voo e alcançar o paraíso underground em que eles se encontram agora.

Oito anos depois, o single do Death, Politicians in My Eyes, começou a frequentar listas de colecionadores de vinil como um item raríssimo, e com o aval de Jello Biafra e outros músicos, criou-se um status cult: o 7” chegou a ser vendido por US$ 800 no eBay. O que aconteceu em seguida foi que os filhos de Bobby Hackney – Bobby Jr., Uriah e Julian – meio que sem querer descobriram que seu pai e seus tios haviam formado uma banda punk em Detroit antes de o punk existir. O fato de o som ser bom demais era quase difícil de acreditar – eles formaram uma banda chamada Rough Francis e saíram em turnê tocando músicas do Death. 

A história começou a correr e um selo indie de Chicago, o Drag City, ajudou a produzir a fita master que os irmãos tinham guardado desde 1975: ...For The Whole World To See, o primeiro álbum do Death, com as gravações originais, chegou às lojas, com 34 anos de atraso. Bobby e Dannis convidaram Bobbie Duncan, do Lambsbread, para assumir a guitarra. Em 2012, veio A Band Called Death, o filme, e então o sucesso no círculo punk rock ao redor do mundo. “Nós estamos comprometidos com o manifesto que inventamos nos anos 1970, com David”, diz Bobby. “For The Whole World To See. E é isso. Vamos ver para onde esse trem vai nos levar.”

+ Filme 'A Band Called Death' capta com brilho o redescobrimento da banda de Detroit

Rough Francis fez novo disco e turnê

Formada em 2008 e nomeada como uma homenagem a David Hackney, o tio fundador do Death que morreu em 2000, a Rough Francis, banda de Bobby Jr., Julian e Uriah Hackney (e os amigos Paul Comegno e Steve Williams), continua. O Death é a influência mais óbvia, mas eles fizeram turnês independentes e em 2014 lançaram o disco ‘Maximum Soul Power’. O lançamento mais recente é o clipe de ‘Not A Nice Guy’, uma boa amostra do rock-n’-roll jovem que eles fazem.

DEATH

Sesc Belenzinho – Comedoria. R. Pe. Adelino, 1.000. (11) 2076-9700. 5ª (4) e 6ª (5). 21h30. R$ 15 / R$ 50. Ingressos esgotados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.