Erros técnicos e desorganização marcam festa da MTV Latina

Problemas de som atravessaram toda a festa; várias apresentações mal foram audíveis, como a do grupo Kudai

Juan David Leal, da EFE,

19 Outubro 2007 | 15h25

Erros técnicos e desorganização marcaram a insossa entrega dos Prêmios MTV América Latina 2007, em que os únicos momentos brilhantes foram as apresentações da banda britânica The Cure e da cantora canadense Avril Lavigne.   Com uma chuva intensa como cenário, o espetáculo, realizado na capital mexicana pela segunda vez consecutiva, começou às 21h (0h de Brasília). Os artistas entraram no local desfilando sobre um tapete vermelho encharcado.   Os veteranos do grupo The Cure, liderados pelo vocalista Robert Smith, que cantou Friday I'm in love, abriram o espetáculo.   Sobre um palco dividido em três estágios e com enormes canos brancos ao fundo, a festa teve como maiores vencedores, cada um com dois prêmios, os mexicanos Belinda (Melhor Artista Solo e Vídeo do Ano), Camila (Melhor Artista Novo Norte e Revelação) e Maná (Melhor Grupo e Artista do Ano), além de Avril Lavigne (Melhor Artista Pop Internacional e Canção do Ano).   A cerimônia sofreu uma interrupção de 15 minutos por problemas técnicos. Aparentemente, a forte chuva afetou os equipamentos de produção.   O apresentador do evento, o ator mexicano Diego Luna, recorreu à improvisação. Mais tarde, na entrevista coletiva, brincou que durante a pausa ficou nervoso porque algumas de suas fãs aproveitaram para "tirar uma casquinha".   Os Prêmios MTV América Latina 2007 tiveram os artistas mexicanos como destaques, levando um total de nove prêmios. Depois vieram os argentinos, com quatro, e chilenos, canadenses e americanos, com dois.   As vaias foram freqüentes. Os maiores alvos foram a cantora Belinda, que liderava as candidaturas, com cinco, e o grupo juvenil RBD. Até o Maná, ganhador do prêmio Artista do Ano, o mais importante da noite, foi vaiado por boa parte do público.   Na última edição, o Maná tinha recebido o prêmio Lenda, em reconhecimento da sua trajetória artística.   Já o colombiano Juanes foi muito aplaudido ao cantar seu sucesso Me enamora. Ele recebeu o prêmio especial Agentes de Mudança, que reconhece o trabalho dos artistas que trabalham em projetos sociais.   Avril Lavigne também contou com o calor do público ao cantar em espanhol os primeiros versos de When you're gone e Girlfriend.   Os problemas de som atravessaram toda a festa. Várias apresentações mal foram audíveis, como a do grupo chileno Kudai.   Jared Leto e sua banda, 30 Seconds to Mars, emocionaram o público. Ele contou com a participação especial da mexicana Ely Guerra, num dos pontos mais emotivos da noite.   No entanto, os maiores aplausos foram para The Cure, que apresentou The end of the world depois de receber o prêmio Influência.   Pablo Holman, do quarteto pop chileno Kudai, levou o último prêmio da noite, o de atista mais "fashion".   Artistas que estavam entre os mais cotados, como RBD, a mexicana Paulina Rubio e o espanhol Alejandro Sanz, foram embora de mãos vazias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.