Leo Aversa
Leo Aversa

Em 'Caravanas', Chico Buarque continua batendo um bolão

Álbum tem previsão de lançamento para sexta-feira, 25

Renato Vieira, O Estado de S. Paulo

22 Agosto 2017 | 12h48

O que leva um homem de 73 anos, cada vez mais espaçando suas visitas a estúdios, a fazer um novo disco? Caravanas, que Chico Buarque lança esta semana, esclarece que o afeto move o repertório, nas questões temáticas e em sua própria formação; quatro das nove faixas são parcerias. Escorado por seu grupo de décadas, liderado pelo maestro Luiz Cláudio Ramos, Chico segue, sem riscos, a sonoridade de seus últimos trabalhos, ao mesmo tempo em que dialoga com sua própria trajetória por um olhar atual.

As Caravanas, obra-prima estrategicamente escolhida para fechar o disco, estabelece relações temáticas com as clássicas Pivete e Meu Guri. Chico se inspira na melodia de Caravan, do jazzista Duke Ellington, para narrar, como se delirasse, a chegada de jovens marginalizados das favelas do Rio às praias da cidade, comparando-os a muçulmanos refugiados. A letra crítica à "gente ordeira e virtuosa que apela pra polícia despachar de volta" é envolvida pelo sutil e preciso violão de Chico, pelo beatbox de Mike, músico do Dream Team do Passinho e cordas regidas por Ramos. Se até a amorosa Tua Cantiga gerou polêmica, As Caravanas deve ser um prato cheio para discussões em redes sociais em tempos de polarização. 

Mas Caravanas é, essencialmente, um disco romântico. A já citada Tua Cantiga é cantiga buarqueana em sua essência, e quem tem intimidade com a obra de Chico pode se lembrar de músicas da primeira fase da sua carreira, como Até Pensei. Em Chico (2011), seu trabalho mais recente, Chico fez o blues Essa Pequena e retorna ao gênero com Blues Para Bia, cuja letra ressalta o desejo de um homem por uma mulher praticamente inalcançável. Ao fim da letra, descobre-se que ela é homossexual. 

A ideia de impossibilidade amorosa segue com a regravação de A Moça do Sonho, feita para o musical Cambaio, pontuada apenas pelo violão de Ramos e pelo violoncelo de Hugo Pilger. Desaforos, já no fim do disco, é outra canção sobre o amor não alcançado, quase à Nelson Cavaquinho, tratando a moça que o rejeita como dama e a si mesmo como vagabundo.

O afeto que norteia o disco passa também pela presença dos netos de Chico em Caravanas. Com a neta Clara, ele regravou Dueto, cujo registro original foi feito por Chico com Nara Leão, uma de suas principais intérpretes, em 1980. Avô e neta já haviam cantado a música no documentário Chico: Artista Brasileiro, de Miguel Faria Jr.. A graça aqui fica por conta da inclusão das redes sociais e de sites ao fim da letra, substituindo o "pravda" e a "vodca". O tempo é outro, e Chico sabe disso.

A valsa Massarandupió revela que Chico Brown, filho de Helena Buarque e Carlinhos Brown, é um grande melodista. A letra de seu avô fala sobre as lembranças de um menino na praia e é como se Chico visse em seu neto, de 21 anos, o espelho de quem era naquela idade, quando lançou uma certa Pedro Pedreiro. Casualmente é a terceira parceria do baixista Jorge Helder com Chico. É um bolero em espanhol sobre Havana - sim, outra música propícia à patrulha da internet. 

Mas Chico, como diz em Desaforos, é apenas "um mulato que toca boleros". E bons sambas. Jogo de Bola fala da mesma paixão que o motivou a escrever O Futebol, em que saúda grande jogadores. Aqui o foco são as peladas amadores, e há até vivas "à galera e às maria-chuteiras". Como disse Caetano Veloso, Chico anda pra frente arrastando a tradição. E Caravanas prova que ele continua batendo um bolão. 

 

Mais conteúdo sobre:
Chico Buarque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.