Elvis Presley lidera ranking de famosos mortos que mais lucram

Segundo a revista 'Forbes', rei do rock & roll gerou no último ano R$ 98 milhões, 7 a mais que no ano anterior

EFE,

30 Outubro 2007 | 10h36

O rei do rock & roll, Elvis Presley, recuperou seu trono tirado no ano passado por Kurt Cobain, o vocalista do Nirvana, como a celebridade já morta que mais rendeu dinheiro nos últimos 12 meses.   Trinta anos após sua morte, e segundo uma lista elaborada anualmente pela revista Forbes, a lendária figura do cantor, morto aos 42 anos, gerou no último ano US$ 49 milhões (R$ 98 milhões), sete a mais que no ano anterior.   Ele foi seguido de perto por outro músico, John Lennon, que, quase 17 anos após seu assassinato, gerou US$ 44 milhões (R$ 88 milhões) em só um ano, quase o dobro que 12 meses antes.   O terceiro da lista é o desenhista Charles M. Schulz, o criador de Snoopy, que rendeu US$ 35 milhões (R$ 70 milhões), exatamente a mesma quantia que no ano anterior, o que lhe permitiu manter seu posto sete anos após sua morte.   Com essa exceção, a lista dos mortos que geram mais dinheiro continua com outros músicos, com George Harrison na quarta colocação, com US$ 22 milhões (R$ 44 milhões) seis anos após sua morte.   Em quinto, outro clássico, Albert Einstein, que, sendo um dos que mais tempo está morto (52 anos), mas sua imagem de cientista ainda é capaz de gerar US$ 18 milhões (R$ 36 milhões) ao ano.   Ele é seguido pelo rei da arte pop, Andy Warhol (US$ 15 milhões; R$ 30 milhões), o autor de teatro Theodor Geisel (US$ 13 milhões; R$ 26 milhões), o músico Tupac Shakur (US$ 9 milhões; R$ 18 milhões), a atriz Marilyn Monroe (US$ 7 milhões; R$ 14 milhões), o ator Steve McQueen (US$ 6 milhões; R$ 12 milhões), os músicos James Brown (US$ 5 milhões; R$ 10 milhões) e Bob Marley (US$ 4 milhões; R$ 8 milhões) e o ator James Dean (US$ 3,5 milhões; R$ 7 milhões).   As 13 celebridades incluídas na lista da Forbes geraram juntas US$ 232 milhões (R$ 464 milhões) nos últimos 12 meses.

Mais conteúdo sobre:
Elvis Presley Forbes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.