Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » E-mails de produtor Dr.Luke mostram críticas a Kesha por conta do peso da cantora

Música

Mario Anzuoni/Reuters

Cultura

Kesha

E-mails de produtor Dr.Luke mostram críticas a Kesha por conta do peso da cantora

Ele, no entanto, negou repetidamente as acusações da artista

0

Reuters

16 Fevereiro 2017 | 16h57

O produtor musical Dr. Luke disse em 2012 que músicos não queriam dar à cantora pop Kesha suas músicas para ela interpretar por conta de seu peso, de acordo com documentos apresentados em tribunal nesta semana, em meio à tentativa da cantora de sair de seu contrato de gravação.

Kesha, de 29 anos, está envolvida em uma batalha de três anos para tentar sair de um acordo de gravação de álbuns com a Sony Music e o produtor de hits Dr. Luke. Ela acusou o produtor de estupro e abuso emocional durante os estágios iniciais de sua carreira.

O caso ganhou atenção por colocar uma luz nos esforços por trás dos panos que artistas mulheres muitas vezes enfrentam na indústria da música, e Kesha recebeu apoio de grandes nomes do pop como Taylor Swift, Adele e Lady Gaga.

Dr. Luke negou repetidamente as acusações e processou Kesha por difamação. Documentos preenchidos em tribunal do Estado de Nova York nesta semana mostram uma corrente de emails entre a empresária de Kesha, Monica Cornia, e Dr. Luke, cujo nome real é Lukasz Gottwald, na qual ele zomba da cantora por ter quebrado sua dieta ao tomar refrigerantes e comer peru.

"Todos ficamos preocupados quando ela está quebrando seus planos de dieta... vimos isto acontecer diversas vezes... quase todo dia", escreveu Dr. Luke para Cornia em 28 de junho de 2012. "E é duplamente mais preocupante quando os compositores classe A e produtores estão relutantes em dar suas músicas para Kesha por conta de seu peso."

Outra corrente de e-mails de maio de 2012 destaca uma disputa entre a cantora e o produtor por conta da letra de uma canção.

 

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.