Divulgação
Divulgação

Duo carioca Bilhão lança primeiro disco e faz show em São Paulo

Formado por Felipe Vellozo e Gabriel Luz, o duo Bilhão divide o palco neste sábado, 1º, com a cantora Mahmundi

João Paulo Carvalho, O Estado de S. Paulo

01 Outubro 2016 | 04h00

Um passeio pela atmosfera. Quem ouve as doces e serenas composições do duo carioca Bilhão, logo percebe o quão longe de tudo e todos a música pode ser capaz de transportar uma pessoa. Com arranjos simples, as canções de estreia da dupla traçam um paralelo interessante entre o estar fisicamente em um lugar e deixar a alma transitar pela órbita terrestre de forma leve e tranquila. Os donos da metáfora complexa, porém intrigante, são Felipe Vellozo e Gabriel Luz, que lançaram o disco homônimo Bilhão em abril deste ano e no sábado, 1°, fazem o show de lançamento do álbum no Z Carniceria, em São Paulo. “Gravamos tudo com calma, aos poucos, sem se afobar. A gente já tocava em outras bandas no Rio de Janeiro. A pressa, portanto, não foi um fator determinante”, diz Felipe em entrevista ao Estado.

Os sintetizadores são os responsáveis por ditar o ritmo desacelerado do projeto. As referências do dream pop externam um trabalho uniforme, singular e conceitual. As sete músicas de Bilhão mostram arranjos bem costurados à base de baterias, baixos e letras sólidas, sejam elas em inglês ou português. “Acho que, independentemente do idioma, conseguimos, de alguma forma, transmitir nossa essência. Isso, mais do que qualquer coisa, nos deixa muito felizes”, complementa Felipe.

Atlântico Lunar, primeira música do álbum, abre o disco de forma leve. Os timbres trazem as melhores referências do indie pop descolado e que virou febre no Brasil em meados dos anos 2000. Os riffs elaborados também merecem destaque, principalmente em Três da Tarde. A distorção suave da guitarra lembra os tempos áureos de Albert Hammond Jr. (guitarrista dos Strokes). “As influências são múltiplas. Tem muita música brasileira e bandas e artistas dos anos 1980. Somos uma boa e velha mistura de gêneros”, afirma Felipe. Os vocais são intensos, mas, ao mesmo tempo, sutis. Talvez a estratégia da dupla seja justamente essa: proporcionar conforto sonoro sem que o rock caia no limbo. Em Tô Pra Ver o Tempo, o dedilhado do violão promove uma viagem no tempo com direito a um sentimento nostálgico, de perda e de um vazio existencial gigantesco. “As pessoas podem até identificar algo mais gringo do que brasileiro em nossa sonoridade, mas acho que tem uma coisa ali que é da canção, da música. Algo universal. Eu não sinto que ela seja estrangeira, sabe?”, comenta Felipe.

Ao vivo, Felipe Vellozo e Gabriel Luz dividem as vozes e guitarras. Eles são acompanhados por Lucas Lazoski (baixo), Lux Ferreira (synths) e Victor Abdelnur (bateria). Além das músicas já conhecidas pelo público, eles prometem composições inéditas e que devem estar no próximo disco, ainda sem data para ser lançado.

Na apresentação deste sábado, 1º, em São Paulo, o Bilhão não estará sozinho. A cantora Mahmundi que, em maio, lançou seu primeiro e elogiado disco de estúdio, o homônimo Mahmundi, fará companhia ao duo. Eles vão proporcionar ao público uma verdadeira avalanche de sintetizadores. O excesso tecnológico oitentista, entretanto, não camufla, em nenhum momento, a competência artística de ambos. 

Mahmundi, inclusive, fez um belíssimo show de lançamento do seu CD no Mirante 9 de Julho, em junho. Semanas depois, brilhou no Vento Festival, realizado em Ilhabela, no litoral norte de São Paulo. Na ocasião, a jovem carioca de 29 anos mostrou presença de palco e um timbre potente na primeira noite do evento.

Uma das grandes revelações da música popular brasileira nos últimos anos, Mahmundi é frequentemente comparada à cantora Marina Lima. “Todo mundo, na verdade, me fala isso. Eu, particularmente, não me importo muito. Acho até bom ser comparada a ela, alguém que admiro e gosto tanto. Para mim, é uma honra”, afirmou a cantora em entrevista ao Estado, em maio deste ano, quando falou sobre o lançamento do seu primeiro álbum.

 

BILHÃO E MAHMUNDI

Z Carniceria. Av. Brigadeiro Faria Lima, 724. Tel.: 2936-0934. Hoje, 1º, 23h30. R$ 25 / R$ 30.

Mais conteúdo sobre:
Marina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.