1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dee Dee Bridgewater faz belo tributo a New Orleans em novo disco

- Atualizado: 14 Março 2016 | 20h 23

Cantora homenageia o berço do jazz

Dee Dee Bridgewater, 65 anos, ótima e experiente cantora de jazz, tem feito dos tributos aos grandes músicos e às divas vocais do passado o mote para formidáveis gravações. To Billie With Love (2010) para Lady Day; This is New reverenciando Kurt Weill (2002); e Dear Ella Fitzgerald (1997) são muito interessantes, mas o Himalaia desse itinerário é Love and Peace (1995), homenagem a seu guru, o pianista criador do hard bop Horace Silver, com quem atuou nos anos 1970. 

Seu CD mais recente é igualmente memorável. Relembra os dez anos da passagem do furacão Katrina que arrasou New Orleans em agosto de 2005, inundando e praticamente destruindo o mítico berço que gerou o jazz na virada dos séculos 19 e 20, fazendo brotar gênios desde o calibre de Louis Armstrong até a família Marsalis, com destaque para sua joia mais preciosa, Wynton.

Originalmente lançado na Europa em abril de 2015, Dee Dee’s Feathers chegou aos EUA apenas em agosto passado e ganhou edição brasileira pela Sony em dezembro.

Nascida em maio de 1950 em Memphis, no Tennessee, Dee Dee é filha de um professor de música e trompetista. O casamento com o trompetista Cecil Bridgewater deu-lhe novo sobrenome e a chance de cantar, entre 1972 e 74, na mítica big band Thad Jones-Lewis toda segunda-feira, no Village Vanguard, templo sagrado do jazz em Nova York. Essa formação fez dela uma das herdeiras mais diretas do scat singing de uma Ella Fitzgerald, aliada à sofisticação musical de uma Betty Carter. Dee Dee canta como um instrumentista. Mistura-se ao tecido instrumental sem nenhuma cerimônia.

Nesse antológico CD-tributo a New Orleans, encontra o parceiro ideal, o trompetista nascido na cidade Irvin Mayfield, que, aos 38 anos, lidera uma formidável usina sonora de 18 músicos da New Orleans Jazz Orchestra. Desde Buddy Bolden e Satchmo, a música em New Orleans é extrovertida, feita para dançar, cheia de swing e erotismo explícito. Música de rua - atmosfera parecida com a de Salvador. São 14 faixas em que a vibração é intensa. Ela “conversa” quase o tempo todo com o trompete de Mayfield (há um incrível “break” que parece cadência de concerto clássico no final de New Orleans). 

Nascida em maio de 1950 em Memphis, no Tennessee, Dee Dee é filha de um professor de música e trompetista
Nascida em maio de 1950 em Memphis, no Tennessee, Dee Dee é filha de um professor de música e trompetista

O repertório combina temas originais com clássicos da cidade. O bate-papo já surge na primeira faixa, One Fine Thing, do pianista e cantor Harry Connick Jr., nascido naturalmente em New Orleans. As performances mais tranquilas, digamos, são das clássicas What a Wonderful World e Do You Know What it Means If You Miss New Orleans, imortalizadas por Armstrong.

Os convidados arrasam. O piano irresistível de Dr. John, 75 anos, brilha em Big Chief, enorme sucesso de Professor Longhair nos anos 1960. Três outras performances memoráveis: o tema do seriado de Treme, de 2010, que retrata a vida dos sobreviventes no pós-Katrina; Saint James Infirmary, gravado em 1928 por Armstrong; e a lírica Come Sunday, de Duke Ellington, onde Dee Dee lembra Ella, propositalmente.

Cantora de notáveis recursos vocais e técnicos, ela comanda uma divertidíssima e ótima festa musical. Na última faixa, Whoopin’ Blues, você jura que eles estão andando e dançando enquanto tocam - como as marching bands de New Orleans.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX