1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Corpo de Jair Rodrigues é enterrado ao som de 'Disparada'

Guilherme Sobota - O Estado de S. Paulo

09 Maio 2014 | 11h 26

Amigos, fãs e familiares cantaram a música vitoriosa do Festival da Canção de 1966

O corpo de cantor Jair Rodrigues foi enterrado às 12h30 desta sexta-feira, no Cemitério Gethsêmani, em São Paulo, ao som de Disparada, um de seus maiores sucessos. O enterro foi acompanhado por amigos, parentes e fãs, que cantaram a música com que Jair venceu o Festival da Canção em 1966. O coral ecumênico da Boa Vontade interpretou a canção, junto com Paulinho Dafilin, músico da banda que tocava com Jair, que, emocionado, pediu para tocar a canção. Jair Rodrigues morreu na manhã de quinta-feira, aos 75 anos, de enfarte do miocárdio.

Entre as homenagens, Jair ganhou ainda uma canção composta pelo filho, Jairzinho. A canção tem a fragilidade da vida como tema e termina com um agradecimento: "Obrigado por seu sorriso". Em uma breve declaração à imprensa após o enterro, Jairzinho mencionou a perene felicidade do pai. "Agora, temos todos que nos esforçar para sermos feliz como ele foi", disse.

Inicialmente previsto para as 11 h, o enterro atrasou por conta de um breve tumulto provocado pelos quase 300 fãs que se aglomeraram no local para se despedir do artista. Na capela, a missa que precedeu o enterro foi fechada para amigos e parentes do artista, enquanto os fãs aguardavam do lado de fora.

Com o aval da família de Jair, o padre que realizou a cerimônia tentou organizar uma fila para que os fãs pudessem ver o corpo pela última vez. Mas a euforia e impaciência do públicou resultou em uma pequena confusão, prejudicando o acesso à capela. Todos pareciam querer entrar ao mesmo tempo. Foram mais de dez minutos para conseguir acalmar os ânimos e liberar o acesso ao local.

Entre os presentes, compareceram ao enterro Simoninha, Luiza Possi, Eduardo Suplicy, Roberto Leal e Marisa Orth. "É um amor louco, que dá em todo mundo. Ele era melhor que todos e parecia imortal", disse a atriz.

O apresentador Raul Gil, amigo de longa data, também compareceu ao sepultamento e lamentou a morte: "Fizemos músicas juntos, mas que nunca deram certo e nunca foram gravadas", disse. Nunca vi ele reclamando de nada. Era um cara que estava cheio de saúde e de repente vai embora. Deus levou ele para deixar o céu mais feliz, alegre e divertido. Jesus deve estar dançando."

"Nos conhecemos nos anos 60 na Record", disse Sérgio Reis. "Ele era um cara muito simples. No seu aniversário, em fevereiro, ele esteve lá em casa comendo ovos mexidos comigo. É um exemplo de artista, carinhoso, paciencioso. Além de ser um talento incrível, ele cantava qualquer coisa. Agora, temos que matar a saudades ouvindo as músicas dele", completou o amigo.

Atualizado às 14h13.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo