1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Conchita Wurst dedica vitória aos que sonham com futuro sem discriminação

Antonio Sánchez Solís e Jordi Kuhs - Efe

11 Maio 2014 | 15h 43

A personagem, que ganhou o Eurovision, é 'alter-ego' do estilista e cantor Tom Neuwirth

VIENA - Conchita Wurst, a cantora austríaca que venceu na noite desse sábado o Festival Eurovision, dedicou a vitória aos que acreditam "em um futuro sem discriminação" e disse que também é uma mensagem para alguns políticos, como o presidente russo Vladimir Putin.

"Não foi uma vitória apenas para mim, mas para quem acredita em um futuro que funciona sem discriminação e baseado na tolerância e no respeito", respondeu Wurst a perguntas da Efe em uma movimentada entrevista coletiva após seu retorno a Viena.

Wurst conquistou o júri do Eurovision com uma bela voz, uma música-chiclete e uma estética provocadora: uma chamativa barba que contrasta com sua maquiagem e seus vestidos justos de noite.

A artista, "alter ego" do cantor Tom Neuwirth, foi recebida no aeroporto de Viena por milhares de fãs que não paravam de cantar "Rise like a Phoenix", canção com que conquistou o segundo triunfo da Áustria no Eurovision - o primeiro foi em 1966.

Com o troféu nas mãos e distribuindo sorrisos e acenos, Wurst foi cercada por uma multidão de jornalistas que queriam registrar seu retorno triunfal à Áustria.

Conchita disse à imprensa que sua vitória é uma mensagem a "alguns políticos", entre os quais citou Putin, mas insistiu que não se trata de abrir um debate de direitos humanos entre Europa e Rússia.

"A tolerância não tem fronteiras. Na Rússia também há lugares onde sou muito bem-vinda", disse Wurst, que lembrou que sua atuação recebeu cinco pontos do país, o que mostra que "nem todo o mundo lá tem as mesmas opiniões" sobre gêneros. Por isso, a artista deixou claro que sua mensagem vai além das fronteiras e se dirige a "políticos que conhecemos".

"Só quero dizer que, no final, o bem sempre vence e que somos imparáveis", declarou sobre os que, como ela, acreditam na tolerância.

Apesar da bandeira antipreconceito, Conchita Wurst disse que não pretende ser uma embaixadora da tolerância, mas dar sua pequena contribuição a uma missão em que, disse, felizmente não está sozinha. "Há pessoas mais poderosas que eu que poderiam fazer mais, mas me deram esse dom. Para mim é importante, e minha obrigação como artista é trabalhar nesse sentido", declarou.

Wurst também se referiu às críticas que recebeu em seu próprio país quando foi escolhida para concorrer ao Eurovision. Uma pesquisa de um jornal sensacionalista de grande circulação concluiu que 79% dos austríacos não estavam orgulhosos de sua candidata.

"Os comentários contra mim não me interessam. Não me interessaram antes nem me interessam agora", sentenciou.

Quanto aos planos para o futuro, a cantora reconheceu ser ambiciosa. "Quero o mundo inteiro", confessou. "Meu grande objetivo é um Grammy. E no caminho pegarei tudo que puder", avisou Wurst, que já recebeu ofertas de produtores de Los Angeles e de vários eventos de celebração do orgulho gay.

Conchita Wurst é um personagem criado por Tom Neuwirth, um estilista de moda e cantor homossexual de 26 anos.

Após ficar em segundo lugar em "Starmania", um programa caça-talentos da TV pública austríaca em 2006, Tom participou brevemente de um grupo musical. Em 2011, o artista se reinventou e apareceu em um novo concurso já como Conchita Wurst. Neuwirth explica que Conchita surgiu como uma resposta à intolerância que sofreu na adolescência por ser homossexual.