Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Com homenagem a Luiz Melodia, Gil, Gal e Nando Reis arrebatam o público com repertório apaixonante 

Trio tocou o clássico 'Pérola Negra' para lembrar a importância do músico que morreu nesta sexta-feira, 4, vítima de câncer 

João Paulo Carvalho, O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2017 | 02h08

A guitarra de Gil solta alguns acordes até então inexpressivos. O tempo, entretanto, converte a modéstia do mestre numa força nunca vista antes. Gal, no centro dos holofotes, dispara o canto perfeito e afinado em direção a algo que nem ela mesma sabe definir. Nando dedilha seu violão e esboça um sorriso de contentamento. A felicidade de estar ao lado dos ídolos torna sua música voraz e impactante.

O que se viu na noite desta sexta-feira, 4, no Citibank Hall, na zona sul de São Paulo, foi a melhor combinação já vista ao vivo na história recente da música popular brasileira. O caleidoscópio sonoro de Gil, Gal e Nando encantou o público que lotou o local e viu de perto três ícones da MPB em alto nível.

O destaque da performance do Trinca de Ases foi a homenagem ao cantor Luiz Melodia, que morreu nesta sexta, 4, vítima de câncer na medula. "Essa é uma homenagem a Luiz Melodia, que nos deixou hoje. Ele era um cara que eu amava demais. Ensaiamos a música nesta tarde", disse Gal visivelmente emocionada. Pérola Negra, maior sucesso do cantor e compositor carioca, ganhou uma roupagem nova. Nando e Gal dividiram os vocais enquanto Gil dedilhou a canção. A emoção falou mais alto.

Muitas foram as partes emocionantes da apresentação, que contou com momentos intercalados. Das combinações entre os três, passando por dobradinhas, o repertório foi rico em hits e incluiu algumas canções não cantadas nos shows individuais do power trio. Ela, de Gil, e Dois Rios, famosa na voz do Skank, de Nando Reis, surpreenderam. 

Não há quem não tenha se arrepiado ao ouvir Gal interpretando Espatódea, de Nando Reis. A homenagem do ex-Titã à filha Zoé arrancou lágrimas até mesmo dos mais durões. A versão de Copo Vazio, de Gilberto Gil, também emocionou. A música uniu três vozes até então incompatíveis. 

O show do Trinca de Ases juntou ingredientes poderosos. O violão imponente de Gil somado à voz de trovão de Gal Costa e a vibe pop de Nando funcionou quase que instantaneamente. Faltou, entretanto, um boom, um momento derradeiro. O clímax até poderia ter surgido no bis, mas derrapou. Barato Total, que encerrou a performance, serviu para deixar aquele gostinho de quero mais. Quando se esperava por mais duas ou três músicas, elas não vieram. Ficou no quase.

A imagem de Nando cantando Esotérico e Gal esboçando as estrofes de All Star ficarão marcadas por toda a eternidade. Neste sábado, 5, tem mais. Gil, Gal e Nando voltam ao palco para o segundo show em São Paulo, no mesmo Citibank Hall. Depois, seguem em turnê, pelo menos até o fim deste ano, com apresentações já confirmadas no Rio, nos dias 11 e 12 de agosto; Fortaleza, em 16 de setembro; Recife, em 11 de outubro; e Porto Alegre, em 19 de outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.