Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Capital Inicial tem estreia modesta no Rock in Rio Lisboa

Música

Jotabê Medeiros/ Estadão

Capital Inicial tem estreia modesta no Rock in Rio Lisboa

Dinho afirmou que há hoje pouco intercâmbio de bandas de rock entre Portugal e Brasil

0

Jotabê Medeiros,
Enviado especial a Lisboa - O Estado de S. Paulo

30 Maio 2014 | 16h40

Freguês habitual do Rock in Rio brasileiro (no qual fez apresentação memorável em 2001), o grupo paulistano Capital Inicial fez sua estreia no evento português na tarde desta sexta-feira, 30, e foram modestas tanto a reação do público quanto a apresentação. "Ouvi dizer que essa música foi gravada em um disco dos Xutos (& Pontapés, grupo português). Então é possível que alguns de vocês a conheçam", disse Dinho, antes de cantar Primeiros Erros.

A banda brasileira tinha à sua frente pouco mais de 10 mil pessoas no momento do seu show. Uma cover do Clash, Should I Stay or Should i Go?, dedicada pelo cantor a Joe Strummer, foi um dos momentos em que se viu maior empolgação da plateia, composta por muitos brasileiros, com muitas bandeiras do País. Os hits Natasha e Música Urbana também arrancaram coros da multidão.

Dinho afirmou que há hoje pouco intercâmbio de bandas de rock entre Portugal e Brasil, e que gostaria que isso se intensificasse. Citou a relação entre os Titãs e o Xutos & Pontapés. "Estar aqui, para os brasileiros, que como eu são quase todos descendentes de portugueses, é um pouco como voltar às origens", disse.

O discurso político com que Dinho Ouro Preto, geralmente, consegue arrancar algum entusiasmo da plateia no Brasil teve reação oposta em Lisboa - o vocalista chegou a ser vaiado ao insistir em perguntar sobre a avaliação dos fãs sobre a política, antes de cantar Que País é Esse?. "Há muito tempo que eu anulo meu voto", afirmou. "Esses engravatados não me representam", disse, antes de soltar um deselegante "pau no c... deles".

Tocaram Mulher de Fases, dos Raimundos, e Veraneio Vascaína, explicando a relação entre a viatura policial e o Vasco da Gama, equipe carioca. Ao final do show, sem camisa, o cantor passou algum tempo fotografando a plateia.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.