1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Análise: Titãs abrem noite dos Rolling Stones com arsenal pesado

- Atualizado: 24 Fevereiro 2016 | 20h 54

Banda usou suas maiores forças de repertório para se defender das condições adversas impostas às bandas de abertura

Titãs fizeram o show de abertura antes da apresentação dos Rolling Stones, no Morumbi - JF Diório | Estadão
Titãs fizeram o show de abertura antes da apresentação dos Rolling Stones, no Morumbi - JF Diório | Estadão

Os Titãs provaram que sim, é possível abrir o show de um monumento como os Rolling Stones com dignidade. As condições nunca serão ideais, como foi visto nesta quarta-feira, 24, no Morumbi. A luz estava confusa e o som, irregular,  mas um grupo que está na estrada há mais de 30 anos entende do negócio.  Sem o som a seu favor,  eles tinham de trazer sua munição mais pesada.  E assim fizeram, por quase uma hora.

Havia dois terços da área Vip ocupada durante o show. O que quer dizer que a imagem que viam do palco era a seguinte: um amontoado na frente, uma clareira um pouco mais adiante, uma grade separando os fãs em duas classes econômicas e, depois, o público mais quente, além dos anéis das arquibancadas. E só lá atrás é que o show parecia pegar mais.

+ Discografia dos Rolling Stones, comentada e ranqueada

A chuva caiu durante todo o tempo. Não era forte,  mas desgastava. Mais um desafio para a banda de abertura. Sem discursos políticos nem discussões com a plateia,  como fez Roger,  do Ultraje a Rigor na abertura do Rio,  o quarteto (mais o baterista Mario Fabre), não viraram notícia.  E fizeram uma demonstração de força. 

Foram stonianos em um sentido: trouxeram a produção que os ergueu. Não havia tempo para canções novas. Só foram um pouco mais longe quando emendaram o refrão de Fardado,  lançada no ótimo disco Nhengatu,  de 2015,  ao fim de Polícia. E fizeram entender que uma completa a outra.

+ Críticos de música do 'Estado' escolhem as 15 melhores canções dos Rolling Stones

Falaram pouco e tocaram muito. Começaram com Lugar Nenhum e seguiram com Aa Uu,  Diversão,  Flores e Comida. Seguiram com o clima sombrio de Cabeça Dinossauro e só então Sérgio Britto se dirigiu ao público com mais tempo. "Essa música que vamos tocar é de 1987 mas poderia ter sido feita ontem". E arremessaram as pedras de Desordem. O rock politizado tem as podridões do Brasil a favor de sua longevidade.

Seguiram com a festa de Homem Primata e depois vieram com Polícia, que ganhou uma introdução de pouco efeito prático com a manchinha de carnaval Acorda Maria Bonita. Paulo Miklos fez tudo ficar atual de novo ao dizer que Bichos Escrotos era inspirada nas ruas de São Paulo.  A adrenalina estava grande e tudo saía mais acelerado do que o normal. Miklos entrou atropelando a contagem de Mário Fabre. O final teve o único ato populista extra-repertório dos Titãs.  Raul Seixas salvou um final que poderia ter sido morno com Aluga-se. Curioso como Raul é sempre evocado por bandas diante de grandes públicos. Mas os Titãs já tinham justificado o convite para a abertura. Fizeram uma aparição cheia de dignidade.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX