Anton Corbijn
Anton Corbijn

Análise: ‘Mr. Brightside’, do The Killers, é o hit indie eterno, aqui ou no Reino Unido

Desde que foi lançada, a música figurou entre as mais tocadas no Reino Unido nos 11 dos 13 últimos anos

Guilherme Sobota, O Estado de S.Paulo

11 Agosto 2017 | 06h01

Enquanto houver pistas indie no mundo, e enquanto houver um coração partido de quem cresceu nelas nos anos 2000, Mr. Brightside vai tocar, e todos ali, dançando ou sofrendo, vão cantar a letra do início ao fim, duas vezes – é o que parece, 13 anos depois, 11 dos quais a música do Killers passou no Top 100 do Reino Unido.

“Nós tivemos conversas do tipo, ‘Deus, eu acho que nossas canções são melhores do que Mr. Brightside, mas por que é isso que todos estão ouvindo?”, revelou recentemente um membro do Strokes – não sem razão.

Mas a letra dos Killers, básica e generalista, tem talvez justamente por isso um alcance atemporal. 

ENTREVISTA: The Killers se reergue com novo disco e a ambição de voltar a soar sujo

“Começou com um beijo / como é que foi terminar assim.” O início saudoso de um relacionamento fracassado. “Ela toca o peito dele / agora, ele tira o vestido dela (...) / eu não posso olhar.” Ela agora está com outro cara, e, bem, melhor não olhar.

“O destino me chama (...) / porque eu sou o Sr. Lado Bom.” Ah, a vida é isso aí, vamos continuar dançando.

E – preste atenção – começa de novo.

Isso serve para os “consumidores” do indie rock em qualquer parte do mundo.

E em qualquer ano deste século 21, aparentemente.

Mais conteúdo sobre:
The Killers

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.