EPITACIO PESSOA/ESTADÃO
EPITACIO PESSOA/ESTADÃO

Análise: confinar a Virada em um autódromo será o primeiro grande erro de João Doria

Se não for demovido da ideia de levar as três milhões de pessoas que frequentam a Virada para um local que não suporta mais do que 80 mil, Doria será lembrado como o prefeito que acabou com a maior festa do calendário cultural de São Paulo, promotora de uma valiosa retomada do espaço público

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2016 | 20h56

João Doria acaba de anunciar que a Virada Cultural será transferida para o Autódromo de Interlagos, no extremo Sul da capital. Se estiver falando sério, e parece que está, se não possuir um assessor capaz de demovê-lo da ideia com argumentos práticos e políticos reforçados por números e gráficos, o idioma que fala com desenvoltura, será este o primeiro grande erro de sua gestão na área cultural. Erro para com uma população que considera a Virada, com todos os seus problemas urbanos, uma conquista iniciada em 2005 nas ruas de São Paulo. E erro para sua própria carreira política. Doria será lembrado como o prefeito que acabou com o espírito democrático da Virada ao tentar higienizá-la dentro de um autódromo.

Seria menos trágico anunciar o fim e apresentar com outro nome seja lá o que for arquitetado em Interlagos por ele e seu novo secretário de Cultura, André Sturm. Virada Cultural, por respeito ao formato que São Paulo já havia colocado em seu calendário anual, não será. Existe sim um inimigo histórico das viradas que surge mais agressivamente entre meia noite e 1h da manhã. É quando a curva de roubos promovidos por arrastões atinge seu pico. Haddad, depois de se debruçar sobre o fenômeno com a cúpula da Polícia Militar, chegou a um formato que conseguiu diminuir muito os problemas na última edição. Os palcos do centro reduziram suas atrações e a área da Praça da Sé foi suprimida. A última Virada foi, assim, marcada pelos uníssonos de Fora Temer, mas não pela violência.

Um número para Doria pensar: o Autódromo de Interlagos tem capacidade para 80 mil pessoas transitando entre um palco e outro. Uma Virada Cultural bem sucedida atrai à região central três milhões de pessoas. Experiências de cobertura no Lollapalooza atestam o quanto sua lotação torna aquelas dependências um barril de pólvora. Caminhar entre um palco e outro, sem a ventilação de vias paralelas, faz da festa um ato angustiante. Outra dado para Doria considerar: ele vai aniquilar a essência democrática e de retomada de espaço público que só se vive uma noite por ano e não vai colher os resultados da ‘higienização’ esperada em troca. Os roubos e arrastões estão presentes mesmo em um evento como o Lollapalooza, que cobra R$ 800 de entrada.

Enjaular uma festa que nasceu para se espalhar pela cidade, ainda que com estratégias de segurança experimentadas a cada ano, é um ato de gabinete. Estar lá por apenas uma madrugada teria feito toda a diferença na decisão do prefeito eleito. Um arrastão, infelizmente, tem força midiática estampada pela própria imprensa para macular 24 horas de shows memoráveis e sensações que só a Virada do centro reservava. Assistir a um show de Genival Lacerda à meia-noite no Largo do Arouche, caminhar pela Praça da República ao som do violonista Romero Lubambo e chegar ao palco principal Julio Prestes a tempo de ver Baby do Brasil na alta madrugada é das experiências mais irresistivelmente paulistanas que São Paulo acaba de perder.      

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.