Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Adele 'chorou o dia todo' depois de apresentação vacilante no Grammy

Música

Matt Sayles|Invision|AP

Cultura

Adele

Adele 'chorou o dia todo' depois de apresentação vacilante no Grammy

Cantora contou a história no programa de TV de Ellen DeGeneres nos EUA

0

Reuters

19 Fevereiro 2016 | 09h56

A estrela britânica Adele afirmou ter chorado durante todo o dia depois de o que era para ser um retorno triunfante ao palco do Grammy se transformar numa apresentação ao vivo vacilante na qual ela cantou fora do tom.

"Eu estava tão constrangida”, disse a cantora de Someoone Like You a Ellen DeGeneres, que apresenta um programa de entrevistas, numa conversa gravada na quarta-feira para ser transmitida nesta quinta, 18.

"Eu chorei praticamente todo o dia de ontem”, disse Adele, que levou seis prêmios Grammy em 2012.

A entrega do Grammy na segunda-feira, 15, marcou a principal aparição da cantora de 27 anos em quatro anos. Ocorreu após lançamento em novembro de 25, que quebrou recordes de vendas nos Estados Unidos e se tornou rapidamente o álbum mais vendido de 2015 com cerca de 15 milhões de discos vendidos em todo o mundo. O lançamento em novembro fez com que o disco não pudesse ser considerado para o Grammy desta semana.

Acompanhada por somente um piano no palco do Grammy em Los Angeles, ela cantou o seu novo single All I Ask. No entanto, a apresentação foi prejudicada por problemas técnicos, quando um microfone caiu nas cordas do piano, e ela cantou de forma vacilante.

Adele disse a DeGeneres que ouviu imediatamente que a canção não estava indo bem e desejou ter parado e recomeçado.

“Da próxima vez que eu tiver problemas com o som, eu vou parar. Desculpa mas não está dando certo. Se a gente tem tempo para fazer de novo, vamos fazer. Se não, tchau!”, disse ela.

Ela também reconheceu estar sentindo mais pressão agora para se apresentar bem do que há alguns anos. “Quanto mais sucesso você tem, mais pressão há, realmente”, afirmou.

Adele inicia uma turnê de nove meses na Europa e na América do Norte, com ingressos esgotados, em 29 de fevereiro.

(Reportagem de Jill Serjeant)

Comentários