Tadeu Sarmento
Tadeu Sarmento

Tadeu Sarmento vence o Prêmio Barco a Vapor de Literatura

Seu livro ‘O Cometa é um Sol Que Não Deu Certo’, sobre refugiados sírios, foi o melhor entre os 1.300 originais inscritos na premiação

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

04 Julho 2017 | 09h00

“Os dois vivem em um campo de refugiados e não são as únicas crianças por lá. É um lugar difícil para as crianças ficarem e também para os adultos, mas ninguém ali teve escolha. Emanuel olha para o céu em direção às nuvens (não ao sol, mas às nuvens) e pensa que ninguém nunca tem escolha. Que as pessoas são iguais àquelas nuvenzinhas no céu, empurradas pelo vento sabe-se lá para aonde ou até quando.”

Este é um trecho de O Cometa é um Sol Que Não deu Certo, livro infantojuvenil de Tadeu Sarmento que acaba de vencer o 13.ª Prêmio Barco a Vapor de Literatura Infantil e Juvenil. O escritor pernambucano de 40 anos é autor, também, de Associação Robert Walser Para Sósias Anônimos, vencedor do Prêmio Pernambuco em 2014.

O livro de Sarmento concorreu com outros 1.300 originais e desbancou veteranos premiados, como a mineira Angela Lago, autora de uma vasta obra infantojuvenil. Foram finalistas, ainda, Yuri Pires Rodrigues, Clarisse Goldberg, Glaucia Costa Lewicki, Gabriel Amaral, Ismael Caneppele, Guilherme Semionato Silva Alves, Clovis Levi Silva e Simone Ribinski da Costa Mattos. 

A premiação é realizada desde 2005 pela Fundação SM e pelas Edições SM – que editará o livro de Sarmento dentro da coleção Barco a Vapor

A cerimônia de entrega será em outubro, quando a obra que conta a história de refugiados sírios será lançada. A premiação prevê, ainda, o pagamento de R$ 40 mil de adiantamento de direitos autorais.

Leia também: Nujeen Mustafa conta, em livro, como fugiu da guerra da Síria em sua cadeira de rodas

Em 2016, o melhor livro foi Deslumbres e Assombros de Uma Jornada Fabulosa, do estudante de Letras Lucas Carvalho, que resgata as histórias de aventura e que mostra um narrador em constante discussão sobre os caminhos da própria história. No ano anterior, o escolhido foi O Vento de Oalab, obra de João Luiz Guimarães em que um balão de HQ reflete sobre a liberdade. Antes, A Conta-gotas, de Ana Carolina Carvalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.