LIGIA JARDIM/DIVULGAÇÃO
LIGIA JARDIM/DIVULGAÇÃO

Relação sofrida com a paternidade está diluída em toda a literatura de Franz Kafka

Teatro da Vertigem vai estrear em julho peça inspirada por 'Carta ao Pai'

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S. Paulo

24 Junho 2015 | 03h00

Em determinado trecho de Carta ao Pai, Kafka escreve algo impressionante. Diz que, de fato, o pai nunca o agredira fisicamente. Mas a pura ameaça, nunca concretizada, fazia efeito talvez ainda pior. Comparava: é como um condenado conduzido ao local de execução. Se vai até o fim, a morte acontece, e tudo acaba. Se ele vê a corda balançar diante de si, sente-a sendo passada pelo pescoço e, quando espera apenas morte, é perdoado, pode guardar aquele trauma para o resto da vida. Kafka era como um condenado que não morria, mas jamais era absolvido por completo.

Impossível não relacionar essa iminência do castigo com determinadas passagens da sua genial literatura. Daí Carta ao Pai ter sido interpretada não apenas como um desabafo e ajuste de contas com o tirano que tinha como progenitor, mas como expressão da matriz de alguns dos procedimentos literários. Marcas registradas de sua escrita e que seriam, portanto, devedoras das terríveis experiências de infância na convivência com Hermann Kafka, o pai.

No posfácio da edição brasileira (Companhia das Letras), o tradutor da obra, Modesto Carone, lembra que Kafka, ao escrever Carta ao Pai, tinha 36 anos e era já autor de livros que a posteridade consagraria, como Metamorfose. Era homem maduro e morreria cinco anos depois. No entanto, aquele ajuste com a figura paterna ficara incômodo, jamais adormecido. Expressava-se em literatura, disso Kafka era consciente. Escreve na Carta: “Meus escritos tratavam de você, neles expunha as queixas que não podia fazer no seu peito”. A frase é dolorosa. Mais uma demanda de amor que um racional acerto de contas retrospectivo.

Desse modo, a Carta, que jamais foi entregue ao seu destinatário e só mais tarde seria publicada na íntegra, ganhou importância nas tentativas de compreensão de obra tão fundamental do século 20. 

Mais conteúdo sobre:
Teatro da Vertigem Franz Kafka

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.