Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Quadrinista brasileiro Marcello Quintanilha é premiado na França

Literatura

Marcello Quintanilha

Cultura

Quadrinhos

Quadrinista brasileiro Marcello Quintanilha é premiado na França

Autor levou o prêmio de melhor história policial no Festival Internacional de Histórias em Quadrinhos de Angoulême pelo livro 'Tungstênio'

0

O Estado de S. Paulo

31 Janeiro 2016 | 17h38

O quadrinista brasileiro Marcello Quintanilha levou o prêmio de melhor história policial no Festival Internacional de Histórias em Quadrinhos de Angoulême, na França, um dos eventos mais importantes do mundo na área. O júri divulgou os vencedores na noite deste sábado, 30. A obra premiada foi Tungstênio, o primeiro graphic novel de Quintanilha, lançado em 2014 por aqui pela editora Veneta.

Concentrada em Salvador, o livro apresenta personagens comuns para compor uma história brasileira que extrapola conceitos como "regional" e "universal".

Quintanilha vive em Barcelona desde o início dos anos 2000, e é colaborador de jornais espanhóis. Ele é autor de Sábado dos Meus Amores (2009), Almas Públicas (2011) e outros. Ele também colaborou com tiras para o Estado em 2010.

O desenhista americano Richard McGuire recebeu o prêmio Fauve d'Or de melhor álbum comic do ano pela obra Aqui.

O livro conta ao longo de 300 páginas a história de um lugar e de personagens que o habitam durante séculos. Richard McGuire, de 58 anos, prende o leitor com uma experiência sensorial inédita e quase mágica, em torno do tempo que passa.

O Prêmio Especial do Júri deste festival considerado o mais importante do mundo, foi para "Carnet de santé foireuse", francês Pozla.

O prêmio de melhor série foi para o primeiro volume de "Ms Marvel", da americana Gwendolyn Willow Wilson e a canadense Adrian Alphona.

O Prêmio Revelação foi para o italiano Pietro Scarnera, pela obra "Uma estrela tranquila", baseada na vida do escritor Primo Levi.

O Prêmio de Patrimônio foi atribuido a "Vater und Sohn", dos alemães E.O. Plauen e Erich Ohser. / Com AFP

Mais conteúdo sobre:

Comentários