1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Perec contrói ficção policial sobre vogal subtraída

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 21h 10

'O Sumiço' traz à tona um mundo fantasioso com jogos, intrigas, uma provação para o tradutor

2016 vai só iniciando, mas já há um candidato à altura, no Brasil, para conquistar o título “livro do ano” no campo da ficção: falo d’O Sumiço (1969), do autor Georges Perec (1936-1982), natural da França.

Clássico dos nossos dias, O Sumiço ficou famoso por não possuir, do início ao fim da intriga, a vogal mais comum da língua original do autor, ou a vogal mais comum (não por acaso) da sua própria alcunha: Georges Perec. Para a nossa língua, o tradutor, Zéfere, faz sumir igual vogal, sob o raciocínio da sua importância para a própria história contada no livro, como justifica no Posfácio da obra.

Tal composição – um lipograma – nunca foi tomada, por si própria, como inovação na história das narrativas, mas o autor dá um rumo magnífico (ou insano...) ao jogo.

Como já foi dito por muitos críticos, Perec foi um dos principais romancistas do OuLiPo, grupo da França distinto ao propor a ficção como um jogo – comparando o artista a “um rato construindo o próprio labirinto, mas do qual busca sair”. Dos livros do autor, alguns já lançados no Brasil, O Sumiço quiçá foi o principal marco do grupo, afinal a causa da sua composição consta na “obra constrangida”, ou por outra, quando o autor limita sua condição criativa.

Perec. Sem nenhuma letra ‘E’ no livro em francês e na tradução para português
Perec. Sem nenhuma letra ‘E’ no livro em francês e na tradução para português

Assim, um dos principais frutos do jogo proposto n’O Sumiço vai dito aqui: o livro acaba tornando a língua um pouco artificial, ou nada natural, afora jocosa, ao forçar malabarismos tanto sintáticos quanto do vocabulário. Só nas páginas iniciais, muitas palavras raras – cardinalício, humílima, campônios, gorja, oblongo, lirial, tridáctila – já nos indicam a companhia do dicionário. O livro solicita um custo nosso – o próprio Perec assumia isso. Mas vamos imaginar o quanto a composição do livro foi custosa para o autor...

Só um aficionado por Perec, como Zéfere, podia traduzir O Sumiço, pois são muitos os obstáculos: fora caçar as palavras mais justas na nossa língua, com limitação igual a do autor, o obstáculo amplia ao notarmos o modo como o próprio Perec conduz sua obra – por formas paradoxais, palavras arcaicas, jogos variados, ritmo complicado. Mais: a vogal sumida, um dos assuntos principais no livro, faz figura, como um fantasma, do início ao fim da intriga.

Não por acaso, no início da história, a situação do protagonista Antoin Vagol já funciona como um aviso: dando uma lida a um livro, Vagol “captava naquilo um imbróglio confuso, topava a toda hora com uma palavra cujo significado ignorava”. O protagonista fala, claro, do próprio O Sumiço.

Mas toda a obra do autor costuma, por outro lado, compor uma rara façanha: afora sua marca vanguardista, tais livros atraíram, ao longo dos anos, admiração incomum. Com O Sumiço funciona igual. Passadas as páginas iniciais, aos poucos o livro cativa: por conta do domínio total da ficção policial, com viravoltas inusitadas, ou do humor particular do autor, um fino provocador. Digo mais: o livro já brota como um marco na história da tradução no Brasil.

O SUMIÇO

Autor: Georges Perec

Tradução: José Roberto Andrade Féres (Zéfere)

Editora: Autêntica (256 págs., R$ 53)

* VICTOR DA ROSA É CRÍTICO LITERÁRIO E DOUTOR EM LITERATURA PELA UFSC 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX