Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Painel das Vendas de Livros reforça crescimento do mercado editorial

Resultados do 9.º período do relatório mensal da Nielsen e do SNEL geram boa expectativa para o fechamento do ano

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

04 Outubro 2017 | 11h12

Correções: 05/10/2017 | 11h33

Um novo Painel das Vendas de Livros no Brasil, referente ao 9º período do ano, foi divulgado nesta quarta-feira, 4, e traz resultados positivos para o mercado editorial brasileiro. No acumulado do ano, o crescimento é de 6,2% em volume e 6,6% em faturamento em relação ao mesmo período acumulado do ano anterior.

Levando em conta apenas o 9.º período (14/8 a 10/9 de 2017), o crescimento em relação a 2016 é de 14,8% (volume) e 10,7% (valor).

+ Rita Lee está entre indicados ao Prêmio Jabuti; confira a lista completa

“Certamente os lançamentos importantes que ganharam visibilidade durante a Bienal do Livro do Rio de Janeiro influenciaram o bom desempenho deste período", analisa Marcos da Veiga Pereira, presidente do Sindicato Nacional de Editores de Livros (SNEL), em nota. "Com este resultado, somado às perspectivas de crescimento da economia brasileira, podemos projetar que os números permanecerão positivos até o final do ano”, afirma.

Já para o gestor da Nielsen Bookscan Brasil, Ismael Borges, a análise dos números sugere que o mercado continua atuando com estratégias agressivas de promoções. "Percebemos claramente que as vendas em volume se descolaram do faturamento, o que é confirmado pelo menor preço médio de vendas no período e o aumento do desconto”, comentou, também em nota.

O Painel das Vendas de Livros no Brasil em 2017 é resultado da parceria do SNEL e da Nielsen. Os números têm como base o resultado da Nielsen BookScan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no País.

Correções
05/10/2017 | 11h33

Uma versão anterior da matéria informava que as vendas tinham crescido 6,6% em volume e 6,2% em faturamento em relação ao mesmo período acumulado do ano anterior. A Nielsen se corrigiu e os números foram atualizados na matéria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.