Divulgação
Divulgação

‘O Pagador de Promessas’ inicia reedição de obra de Dias Gomes

Peça encenada em 1960 é a primeira a ganhar nova identidade visual e textos introdutórios pela editora Bertrand Brasil

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

14 Setembro 2014 | 21h00

O dramaturgo Dias Gomes (1922-1999) considerava a representação teatral como um ato social. E, por conta disso, qualquer peça deveria ter a função não apenas de divertir mas, principalmente, de estimular a reflexão. Foi o que norteou uma carreira de 33 peças, além de telenovelas clássicas.

Encenada pela primeira vez em 1960, O Pagador de Promessas é uma de suas obras mais importantes. Transformada em filme dois anos depois (produção que ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes), a peça se passa em Salvador, onde Zé do Burro é impedido pelo padre da igreja de Santa Bárbara de pagar uma promessa (entrar na paróquia carregando uma cruz) pelo restabelecimento da saúde de seu animal. O sacerdote não admite que a promessa tenha sido feita a Iansã, similar a Santa Bárbara no candomblé.

O Pagador de Promessas é a história de um homem que não quis conceder – e foi destruído”, escreveu Dias Gomes em nota que acompanha a primeira das reedições de peças do autor, sob a chancela da Bertrand Brasil (O Bem-Amado também já está disponível). “Seu tema central é o mito da liberdade capitalista.”

Gomes defendia que a liberdade do homem é fantasiosa, pois todos somos obrigados a viver sob regras estabelecidas. “Zé do Burro, por definição, é um homem livre”, afirma. “Por definição, apenas. O que nos importa é a exploração de que ele é vítima – exploração que constitui também um dos alicerces da sociedade em que vivemos.”

O PAGADOR DE PROMESSAS

Autor: Dias Gomes

Editora: Bertrand Brasil (154 págs., R$ 35)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.