Fundação Anne Frank
Fundação Anne Frank

'O Diário de Anne Frank' vai virar filme e graphic novel

Lançamento internacional do projeto que tem o cineasta Ari Folman como um dos realizadores está previsto para outubro; há 73 anos Anne Frank era levada ao campo de concentração, onde morreria meses depois

EFE

24 Julho 2017 | 16h32

O Diário de Anne Frank será adaptado para graphic novel pelo cineasta Ari Folman e pelo ilustrador David Polonsky. O lançamento será em outubro e, depois, a obra, um dos documentos mais "arrepiantes e fascinantes" da história ganhará uma versão cinematográfica "mais fidedigna". O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 24, pela Penguin Random House, que disse, ainda, que a obra oferece um "ponto de vista único da barbárie mais atroz da humanidade".

O projeto, organizado com a Fundação Anne Frank, oferecerá "a versão mais fidedigna da história original" em forma de quadrinhos e de filme. O cineasta e roteirista israelense Ari Folman e o ilustrador David Polonsky, que já trabalharam juntos em Valsa com Bashir (2008), exibido em Cannes, vencedor de um Globo de Ouro e de um César e indicado ao Oscar, voltam a se encontrar.

Folman e Polonsky tentarão dar uma nova dimensão aos diários escritos pela menina durante os anos em que se escondeu dos nazistas numa casa em Amsterdã com a família até serem encontrados em agosto de 1944.

Ana e sua irmã Margot foram enviadas ao campo de concentração de Auschwitz (Polônia) e depois ao de Bergen-Belsen (Alemanha), onde morreram de tifo poucas semanas antes da liberação do campo pelas tropas britânicas, em abril de 1945.

A graphic novel contará, de forma "bela e delicada", o "arrepiante" relato e será uma "nova oportunidade de se aproximar" da história daquela menina de 13 anos que narrou seus sentimentos e experiências relacionadas ao "horror e à barbárie nazista".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.