GABRIELA BILO / ESTADAO
GABRIELA BILO / ESTADAO

Nova revista de livros, 'Quatro Cinco Um' busca diversidade com resenhas e análises

Publicação começa a circular em maio com textos para discutir temas contemporâneos

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

01 Maio 2017 | 15h27

O primeiro número de Quatro Cinco Um – a nova revista de livros editada por Paulo Werneck e Fernanda Diamanti – chega às livrarias no início de maio e a matéria de capa é um ensaio sobre a literatura de Elena Ferrante, escrito pela professora da USP Eliane Robert Moraes. A publicação traz 27 textos – 26 deles são resenhas de lançamentos do mercado editorial, e a exceção é uma crônica de Anderson França refletindo sobre a participação de pastores evangélicos na política nacional. A revista – cuja tiragem nesta primeira edição é de 35 mil exemplares – também será entregue aos assinantes da Piauí.

As resenhas, segundo a dupla de editores, serão usadas para discutir temas correntes da sociedade. Na primeira edição, por exemplo, Antonia Pellegrino une quatro obras, incluindo Angela Davis e Gloria Steinem, para discutir a trajetória do movimento feminista até a contemporaneidade. José Murilo de Carvalho resenha a nova biografia de Tancredo Neves, de Plínio Fraga, e analisa da perspectiva sociológica o estilo mineiro de fazer política. Sérgio Alcides fala do “lirismo ambulante” e urbano de Frank O’Hara. E por aí vai. No fim da edição, a revista traz um “listão” de 147 lançamentos.

A revista chega num momento em que publicações de resenhas literárias estão minguadas no cenário nacional. “A gente quer cobrir ao menos 20 arcos de assuntos, da política ao infantil”, diz Werneck. “O mesmo leitor lê um livro policial na praia, tem uma vida acadêmica, tem filhos”, afirma, sobre seu público-alvo. “Existe o ex-fumante, ex-motorista, ex-alcoólatra, mas não existe o ex-leitor.”

“O modelo que seguimos, da London Review of Books e da The New York Review of Books, vive muito dos anúncios de editoras, que é uma cultura que a gente não tem aqui”, explica Diamanti. “Mas a gente quer cultivar e ver se conseguimos fazer com que as editoras nos apoiem.” Algumas editoras anunciam nesta edição: Grupo Companhia das Letras, Intrínseca e Ubu, além da Amazon e das livrarias Cultura e Travessa. 

A revista deve, porém, se apoiar em parcerias e, principalmente, contar com assinantes. A assinatura anual – são 10 edições por ano – custa R$136 (R$100 para menores de 26 anos), e há uma modalidade de “assinante entusiasta”: R$ 250.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.