1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Narrador é o ponto alto de livro que inspirou 'O Quarto de Jack'

- Atualizado: 17 Fevereiro 2016 | 14h 42

Delicada história sobre amor, confinamento e loucura é contada por uma criança de cinco anos; leia trecho de 'Quarto'

Jack acaba de fazer 5 anos e é neste ponto de sua vida que o conhecemos. É ele mesmo quem narra sua história – e a voz criada pela irlandesa Emma Donoghue para o garoto é uma das graças de Quarto, livro publicado em 2010 (aqui, em 2011), que envolveu um polpudo adiantamento de direito autoral - falou-se em 1 milhão de euros -, foi finalista do Booker Prize e conquistou leitores mundo afora – no Brasil, ele já está na 5.ª edição. Donoghue é responsável, também, pelo roteiro do filme que chega agora aos cinemas brasileiros.

Jack vive com sua mãe em um minúsculo cômodo. Para ele, está tudo bem: tem o amor dela e se sente confortável ali dentro, onde os objetos são tratados como humanos e onde cada mancha, cada traço conta a história delicada e angustiante dessa pequena família.

Aquilo é só o que ele conhece da vida real. O resto está na televisão, ou no "espaço sideral". Na rotina – e na criança –, a mãe encontra um antídoto, sempre frágil, à loucura e força para proteger sua cria, para dar a ela um ambiente (na medida do possível) saudável e para prepará-la para um futuro que ela não sabe se virá.

A autora é responsável, também, pelo roteiro do filme
A autora é responsável, também, pelo roteiro do filme

Quarto é o 7.º livro da escritora irlandesa que vive no Canadá. Em entrevistas à época do lançamento, ela disse que seu romance não era baseado no caso de Josef Fritzl, que manteve a filha em cativeiro por 24 anos e teve filhos com ela. Porém, comentou que a visão de um garoto (um dos filhos) vendo o mundo pela primeira vez a arrebatou.

Confira o trecho inicial do romance:

"Hoje eu tenho cinco anos. Tinha quatro ontem de noite, quando fui dormir no Guarda-Roupa, mas quando acordei na Cama, no escuro, tinha mudado para cinco, abracadabra. Antes disso eu tinha três, depois dois, depois um, depois zero.

- Eu fui um número negativo?

- Hã? - disse a Mãe, dando uma espriguiçadona.

- Lá no Céu. Eu fiz menos um, menos dois, menos três...?

- Não, os números só começaram quando você desceu zunindo.

- Pela Claraboia. Você andava toda triste até eu acontecer na sua barriga.

- Falou e disse.

A mãe se inclinou pra fora da cama para acender o Abajur, que faz tudo clarear, zás.

Fechei os olhos bem na hora, aí abri uma frestinha de um, depois os dois.

- Eu chorava até não ter mais lágrimas - ela me contou. - Só fazia ficar deitada aqui, contando os segundos.

- Quantos segundos? - perguntei.

- Milhões e milhões.

- Não, mas quantos, exatamente?

- Perdia a conta, disse a Mãe.

- Aí você torceu e fez um desejo pro seu ovo, até engordar.

Ela sorriu.

- Eu sentia você chutar.

- O que eu chutava?

- A mim, é claro.

Sempre rio desse pedaço."

QUARTO

Autora: Emma Donoghue

Trad.: Vera Ribeiro

Editora: Verus (350 págs.; R$ 47,90; R$ 29, o e-book)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX