Morre a gerente editorial da Rocco, Vivian Wyler

Figura histórica do mercado editorial brasileiro, ela completaria 30 anos de trabalho na editora carioca

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

16 Abril 2017 | 18h13

(Atualizado às 21h08) A gerente editorial da Rocco, Vivian Wyler, morreu neste domingo, 16 - a editora confirmou a informação em uma nota em sua página oficial no Facebook. Ela lutava contra um câncer há anos. Wyler estava prestes a completar 30 anos de trabalho na empresa carioca, e era reverenciada por colegas e escritores. Ela tinha 63 anos.

Foi Wyler quem primeiro leu os livros de Harry Potter na editora e se encantou pelo universo do bruxo, que acabou ficando nas mãos da Rocco. Ela também trouxe ao Brasil vários nomes de uma geração inglesa de peso, como Ian McEwan, Martin Amis e Julian Barnes. Antes da incursão no mercado editorial, ela trabalhou cobrindo livros no Caderno Ideias e no Caderno B do Jornal do Brasil, entre 1977 e 1987.

"Muito mais que uma profissional competente, era uma pessoa generosa, prestativa, amorosa, vamos sentir muito sua falta", escreveu Paulo Rocco na página da editora. "Pessoalmente tive a oportunidade de conviver com ela por muitos anos, seu legado permanecerá, uma amiga se foi, mas não a lembrança de sua amizade. Presto minha solidariedade a sua filha e marido, parentes e todos os que tiveram a oportunidade de usufruir de sua companhia. Teremos muita saudade, mas temos certeza que sua presença ficará em nossos corações."

Veja a nota completa abaixo:

Em sua página, o escritor Antonio Xerxernesky, que teve livros editado por Wyler na Rocco, a definiu como uma "presença luminosa". "Ela editou todos os meus livros na Rocco, e seu trabalho tão dedicado foi imprescindível. Vivian sempre sugeria cortes e mudanças extremas, e eu sempre concordava, pois ela tinha o talento máximo que um editor pode almejar ter, que é compreender como um livro funciona melhor do que o próprio autor que o escreveu", afirmou o escritor.

Mais conteúdo sobre:
Editora Rocco Literatura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.