PAULO GIANDALIA/ESTADÃO
PAULO GIANDALIA/ESTADÃO

Morre a escritora Edla van Steen aos 81 anos

Jornalista, crítica cultural, dramaturga e ficcionista deixa grande contribuição para a cultura brasileira

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

06 Abril 2018 | 10h41
Atualizado 06 Abril 2018 | 14h56

A escritora catarinense Edla van Steen, que estava radicada em São Paulo há pelo menos 40 anos, morreu nesta sexta-feira, 6, na capital paulista. Ela morreu em decorrência de complicações cardíacas e estava internada há alguns dias em São Paulo.

Autora e organizadora de dezenas de livros, entre ficção, peças teatrais, publicações críticas e jornalismo, ela recebeu diversos prêmios ao longo da carreira, foi durante muito tempo colaboradora do Estado e era nome onipresente na discussão intelectual e literária do Brasil.

A informação foi divulgada via Facebook pela família e por colegas.

Segundo o escritor e crítico Aimar Labaki, o velório ocorre até as 14h na R. São Carlos do Pinhal, 376, em São Paulo. De lá, o cortejo segue para o crematório Parque Paulista, em Embu.

Nascida em Florianópolis em 1936, Edla viveu alguns anos em Curitiba antes de se mudar definitivamente para São Paulo. Seu primeiro emprego foi numa rádio, em que lia e encenava cartas de amor e outros relatos de ouvintes. Um primeiro livro de contos, escrito nessa época, quando ela tinha pouco mais de 16 anos, se perdeu na capital paranaense.

Seu primeiro livro de contos, Cio, foi publicado em 1965. De lá para cá, foram cerca de três dezenas de livros de sua autoria, e, segundo a própria contabilizava, pelo menos outros 300 editados ou organizados por ela.

Foi com a Editora Global que ela organizou as séries Melhores Poemas, Melhores Contos, Melhores Crônicas, que conta com pelo menos 100 autores, com organização e apresentação de diversos grandes nomes.

Edla também dirigiu, entre outras séries, a coleção Roteiro da Poesia Brasileira, com 15 volumes.

A Global ainda publicou diversos de seus romances e contos, como Corações Mordidos, No Silêncio das Nuvens, O Gato Barbudo, e A Revolta.

Ela também teve incursões em outras carreiras do campo artístico: foi atriz (seu papel mais lembrado é em Na Garganta do Diabo, de Walter Hugo Khouri, em 1960), roteirista, redatora publicitária, tradutora e galerista.

O crítico de teatro Sábato Magaldi (1927-2016) foi seu terceiro e definitivo casamento, que durou 37 anos, até a morte do autor. Em 2015, ela organizou o livro Amor ao Teatro: Sábato Magaldi, coletânea de 1,2 mil páginas que reúne a produção crítica de Magaldi.

"Com muito pesar comunico a morte de Edla Van Steen, uma grande ficcionista, uma batalhadora incansável em prol da literatura brasileira, que tanto divulgou através das centenas de títulos que editou na coleção 'Melhores (poemas/crônicas/contos)' da Global", escreveu o poeta e membro da Academia Brasileira de Letras, Antônio Carlos Secchin.

"Linda, inteligente, humor afiadíssimo, a escritora e dramaturga Edla van Steen nos deixa hoje. Viúva do saudoso Sábato Magaldi, mãe de três talentos de brilho próprio - Anna Van Steen, Lea Van Steen e Ricardo Van Steen - era a anfitriã perfeita. O segredo talvez estivesse no fato de ter genuíno prazer em receber - nem que fosse para depois arrancar humor das situações e tipos. Foi musa de Glauber e outros cineastas à época, e só não seguiu carreira de atriz por que as circunstâncias de vida não permitiram. Mas está lá, imortalizada, nas cenas de Na Garganta do Diabo de Walter Hugo Khoury. Sua memória perdurará em sua obra e na lembrança dos que tivemos a sorte de entrar em sua órbita", escreveu Aimar Labaki.

"Edla é a grande colaboradora, o principal eixo cultural, na implantação desde o início da década de 1980 da linha editorial da Global Editora, hoje com suas bases totalmente fincadas na Literatura brasileira", disse o editor Luiz Alves Júnior, em nota. "Uma vida dedicada a promover e valorizar a intelectualidade do país. A qualidade da editora se confunde com a qualidade do trabalho dela."

Mais conteúdo sobre:
jornalismo teatro Edla Van Steen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.