Assine o Estadão
assine

Cultura

Jabuti

Maria Valéria Rezende narra luta invisível pela construção de um país mais justo

‘Outros Cantos’, novo romance da vencedora do Livro do Ano do Jabuti 2015, acompanha a volta de missionária ao sertão

0

Maria Fernanda Rodrigues,
O Estado de S.Paulo

25 Fevereiro 2016 | 04h00

Maria Valéria Rezende já tinha uma consolidada carreira literária quando foi “descoberta” no ano passado ao ganhar o Jabuti de Livro do Ano por Quarenta Dias. Virou celebridade e não gostou quando disseram, por exemplo, que uma veterana tinha desbancado Chico Buarque. “Ele só é um ano mais novo do que eu. Quiseram dizer que uma velhota anônima tinha ganhado?”, esbraveja. Ou que tivessem se concentrado na informação de que é freira – como se ela devesse estar presa num convento rezando, e não escrevendo e vencendo “medalhões” com um livro que retrata personagens à margem da sociedade.

Nesta quinta, 25, ela apresenta seu novo romance, com personagens ainda mais invisíveis. Outros Cantos narra a volta de uma mulher ao sertão 40 anos depois de sua primeira viagem àquela terra esquecida. No ônibus, lembranças do passado voltam em flashes e Maria, a narradora, nos transporta para Olho d’Água. Lá, conhecemos seus personagens, sua realidade. O horror apaziguado por pequenos gestos de solidariedade. Maria, professora do Mobral, está lá para iniciar sua missão: “preparar a chegada dos outros para fazer a revolução a partir do povo”.

Valéria explica que não teve a pretensão de dar conta do contexto histórico – o livro é situado na ditadura militar. “Eu quis fazer algo mais lírico, mostrar como se sentia uma pessoa jovem que se comprometia com a resistência à opressão, à ditadura e, mais que isso, com a transformação do Brasil, que nunca tinha sido justo, em um país justo.”

Isso tudo ela viu de perto. Viveu no campo no início dos anos 1970 e depois por mais de uma década entre 1976 e 1988. E viu situações similares em outros lugares do mundo. Sempre em serviço missionário. Mas, apesar da semelhança entre o enredo e a trajetória da autora, aos que forem procurar vestígios da Maria Valéria que viveu no sertão, ela adverte: “Não sou eu. Não é minha biografia nem o meu temperamento. Os percursos, sim, são meus. Emprestados, estilizados, metaforizados, embelezados”. Ela justifica dizendo que não sabe escrever sobre o que não viu. “Isso de criar alguma coisa que está na minha cabeça só com a linguagem eu não entendo como é. Sei inventar histórias usando a matéria-prima que eu fui absorvendo ao longo da minha vida, com meus cinco sentidos e com as leituras”, conta.

Seu romance presta, então, homenagem aos milhares de missionários anônimos que se embrenharam pelo Brasil a partir de 1969, por acreditar que a resistência e a transformação só podiam vir de dentro para fora, de baixo para cima. “Fomos conscientizar o povo e ajudá-lo a se organizar com uma metodologia não doutrinária. Aprendemos sua vida para, juntos, ajudá-los a refletir sobre que situação era aquela. Será que Deus queria mesmo que as pessoas sofressem nesse mundo para serem felizes no outro, no céu?”

A luta teve resultado, ela acredita. “A garotada sem futuro que conheci, filhos de analfabetos, está formada. São doutores. E hoje, nenhuma família pobre do Nordeste duvida que seu filho pode, sim, ir para a universidade. É uma alegria. Foi um avanço e não há crise que reverta.” E vai além: “O nordestino baixinho de cabeça chata do estereótipo morreu, acabou. A meninada está 20, 30 centímetros mais alta que seus pais. Os sistemas cerebral, motor e nervoso se desenvolveram. Haja a crise que houver, eles não vão perder isso. A qualidade antropológica do nosso povo avançou e isso é irreversível. Quando as pessoas começam a escrever muita besteira no Facebook, digo: venha cá que vou te mostrar”, conclui a escritora que vive em João Pessoa.

OUTROS CANTOS

Autora: Maria Valéria Rezende

ditora: Alfaguara (152 págs.; R$ 34,90)

Lançamento: Hoje, 25, 19 h, na Livraria da Vila (R. Fradique Coutinho, 915)

 

Comentários