1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Macau, na China, quer entrar na rota das letras lusófonas

- Atualizado: 09 Março 2016 | 09h 52

Festival The Script Road, no sudeste asiático, reúne escritores e artistas de Brasil, Portugal e outros países

Incluir Macau – uma região tão particular da China que tem o português como idioma oficial – no mapa da literatura lusófona é a missão desafiadora que enfrentam os criadores do The Script Road, o Festival Literário de Macau, cuja quinta edição começou neste fim de semana e vai até o dia 19 de março, na localidade do sudeste asiático.

Criado em 2012 por Ricardo Pinto e Hélder Beja, jornalistas portugueses residentes em Macau, o festival foi inspirado na Flip brasileira e a dupla já o avalia como um dos principais do mundo lusófono. Uma das ideias iniciais era criar interesse pela arte e estimular leitura e produção de literatura no local. “São mudanças profundas, mas é um caminho que só pode ser feito com a construção de novos públicos e incentivo de uma política de leitura”, diz Beja, de Macau. O festival é trilíngue: chinês, inglês e português – “não é meramente para expatriados”, garante o curador.

Jogo. Indústria floresceu desde 2001 e é, ao lado do turismo, o setor mais forte do local
Jogo. Indústria floresceu desde 2001 e é, ao lado do turismo, o setor mais forte do local
Cinco autores brasileiros estarão por lá nos próximos dias na programação oficial: Luiz Ruffato, Marcelino Freire, Carol Rodrigues, Felipe Franco Munhoz e o crítico literário Paulo Franchetti (especialista na obra de Camilo Pessanha, um dos homenageados desta edição), entre outras dezenas de nomes internacionais (veja alguns destaques abaixo).

“Neste encontro entre a China e a lusofonia, o Brasil não pode ser esquecido”, afirma o curador. “É um país com uma cultura enorme, riquíssima, com muitos bons escritores, e com o maior potencial dentro do mundo lusófono”, diz.

A indústria do jogo é a mais forte do local – o que rendeu a Macau o apelido de Las Vegas do Oriente – e também ajuda a sustentar o festival, que tem um orçamento de 2,3 milhões de patacas (a moeda local, que atualmente vale R$ 0,49). Metade do valor é proveniente de recursos públicos locais.

“O festival tem dois pontos base”, explica Beja. “Promover este encontro, no tempo espaço, entre autores chineses e lusófonos, e depois, convidá-los a escrever sobre a cidade. Macau, apesar de ser um lugar tão especial e único no mundo, passa um pouco ao lado da atenção dos grandes escritores da lusofonia e da China”, analisa. 

Um volume com escritos dos autores convidados é lançado no ano seguinte ao festival.

DESTAQUES INTERNACIONAIS

Adam Johnson

O norte-americano venceu o Pulitzer de ficção em 2013 pelo romance The Orphan Master’s Son, que se passa na Coreia do Norte. 

 

José Pacheco Pereira

O intelectual português é colaborador regular da imprensa europeia e destacado biógrafo, bibliófilo e professor universitário em Portugal. 

 

Chan Koonchung

Um dos mais importantes e críticos autores chineses contemporâneos, teve seu romance distópico The Fat Years traduzido para 16 idiomas.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX