1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Livro faz elogio ao inútil e à livre busca de saberes

- Atualizado: 18 Março 2016 | 20h 28

Ensaios falam do perigo de nos fixarmos só no lado prático da vida

A Utilidade do Inútil: Um Manifesto (Zahar, 2016) é uma coletânea de ensaios breves do pensador italiano Nuccio Ordine que lança luz e instiga a discussão sobre o papel dos saberes considerados inúteis, por não visarem ao lucro, “no cultivo do espírito e no crescimento civil e cultural da humanidade”.

O livro de Ordine, diria, é, acima de tudo, um elogio à literatura, à cultura e à educação, que, para ele, “constituem o líquido amniótico ideal no qual podem se desenvolver vigorosamente as ideias de democracia, liberdade, justiça, laicidade, igualdade, direito à crítica, tolerância, solidariedade e bem comum”.

Para discutir o tema da “utilidade do inútil”, Ordine se vale de citações de diferentes escritores e filósofos, entre eles, Vargas Llosa, Oscar Wilde, Eugène Ionesco, Aristóteles, Platão, Kant. O absurdista Ionesco, que ganha destaque nas suas considerações, chama a atenção para o perigo de nos voltarmos apenas para o lado prático da vida e, em razão disso, nos transformarmos num autômato (num rinoceronte) e numa presa fácil de um “fanatismo delirante”, de cunho religioso, político, seja ele de direito ou de esquerda, etc.

Ordine. Fazendo oposição à barbárie com ‘luxos’ como arte e literatura
Ordine. Fazendo oposição à barbárie com ‘luxos’ como arte e literatura

Ordine incita-nos a fazer dos luxos inúteis, como a arte, a literatura e a poesia, um instrumento útil de oposição à barbárie, “num imenso celeiro para preservar a memória e os eventos injustamente destinados ao esquecimento”.

Ainda assim, como afirma Heidegger, também citado pelo autor, parece que, “para o ‘homem atual’, é realmente cada vez mais complicado mostrar interesse por algo que não implique um uso prático e imediato com ‘objetivos técnicos’”.

Quantos, hoje em dia, fariam como Sócrates, que antes de morrer se exercitava na flauta para aprender uma nova ária?

Os ensaios de Ordine defendem a tese de que uma nação em crise não pode virar as costas à cultura e à educação; ao contrário, é fundamental que ela duplique “recursos destinados ao saber e à formação dos jovens, para evitar que a sociedade caia no abismo da ignorância”, pois, segundo ele, a ignorância é sempre mais perigosa do que a miséria.

No entanto, o que vemos acontecer é, exatamente, o oposto. Em momentos de crise econômica, corta-se o supérfluo, o luxo e as inutilidades. A cultura, vista como frivolidade, é a primeira a ser eliminada.

Acrescentaria à lista de escritores citados por Ordine o poeta Manoel de Barros, que tratava dos temas “inúteis” e considerava o artista “um fazedor de inutensílios” necessários ao aprimoramento do homem.

Por imposição do mercado, lembra Ordine, até mesmo as livrarias se desfiguraram e perderam uma importante característica: a de ser um lugar onde textos fundamentais podiam ser encontrados. Hoje, diz o pensador italiano, as livrarias não passam de um ponto de vendas de “obras da moda” e “a liberdade de escolha dos livreiros é cada vez mais limitada pelos interesses dos grandes distribuidores, que impõem suas publicações de acordo com critérios puramente comerciais”.

As universidades, chamadas por Ordine de “empresas”, e os professores, chamados de “burocratas”, também são alvo de crítica mordaz. A respeito dos professores, o escritor afirma que eles estão cada vez mais ocupados e preocupados em “preencher formulários, fazer cálculos, produzir relatórios (às vezes inúteis) para estatísticas[...]. Assim, o ano corre veloz ao ritmo de uma incansável métrica burocrática [...]e de intermináveis reuniões de assembleias e colegiados”.

Um ensaio do pedagogo norte-americano Abraham Flexner, que acompanha o volume, corrobora as teses de Ordine.

Flexner relata a sua experiência como professor na Universidade Princeton, onde ele defendia, com outros colegas, a liberdade de espírito em detrimento da palavra “utilidade”. Segundo o pedagogo, “as instituições de ensino deveriam dedicar-se ao cultivo da curiosidade, ao estudo por si mesmo. E conclui, “sem nos prometer nada, alimentamos a esperança de que a busca livre e desinteressada do conhecimento inútil poderá trazer resultados práticos no futuro, como trouxe no passado”.

A utilidade do inútil talvez seja a de “fazer entrar a luz no espírito humano”, como disse Victor Hugo, também citado por Ordine.

* DIRCE WALTRICK DO AMARANTE É AUTORA DE, ENTRE OUTROS, DE JAMES JOYCE E SEUS TRADUTORES (ILUMINURAS) E ASCENSÃO (CULTURA E BARBÁRIE)

A UTILIDADE DO INÚTIL - UM MANIFESTO

Autor: Nuccio Ordine

Trad.: Luiz Carlos Bombassaro

Editora: Zahar (224 págs.;R$ 39,90; R$ 24,90 o e-book)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX