Livro de fã sobre One Direction vai ser publicado nos EUA

Editora americana Simon & Schuster vai lançar a série 'After', fan fiction que teve 800 milhões de leituras na internet

O Estado de S. Paulo

05 Junho 2014 | 13h22

A editora Simon & Schuster, uma das cinco gigantes do mercado editorial americano, assinou um contrato com Anna Todd, autora do fanfic After, baseado no grupo One Direction. Publicado originalmente no Wattpad, plataforma de compartilhamento gratuito de textos, a série teve mais de 800 milhões de leituras, e agora deve começar a ser publicada pela grande editora em novembro.

Anna começou a escrever After no Wattpad há pouco mais de um ano, e o livro cresceu como um fenômeno, atraindo interesse inclusive de agências de talentos para vender os direitos para a TV e para o cinema. O livro conta a história de Tessa Young, uma moça de 18 que tem a vida “modificada” por um garoto chamado Harry. No decorrer da história, ela encontra também os amigos de Harry, Niall, Liam, Zayn e Louis, mesmo nome dos integrantes da banda.

“Quando você está vendo vídeos deles, indo a shows, tweetando sobre, tem sempre um desejo por mais: e nada melhor do que passar um tempo com eles na forma de fan fiction”, disse a autora ao site Sugarscape. Ela afirmou que 50 Tons de Cinza mudou sua vida, explicando o caráter sexual que também está presente nos seus textos.

De acordo com o site especializado Publisher’s Weekly, a história vai render três livros e o primeiro deles deve sair em novembro. O editor Adam Wilson, que adquiriu a série, disse que a editora vai manter a história que as pessoas já conhecem, mas que a intenção é alcançar leitores comuns. “Nós aprendemos a publicar rápido quando o assunto é autores autopublicados”, disse. A editora também pretende alterar o nome dos músicos nos livros, para evitar problemas judiciais.

O álbum mais recente do One Direction é Midnight Memories. As informações são do jornal The Guardian.

Mais conteúdo sobre:
Música Literatura One Direction

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.