1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Legado de Lucia Miguel Pereira é ampliado com 'O Século de Camus'

- Atualizado: 09 Janeiro 2016 | 04h 00

Livro traz inéditos da eterna dama da crítica

O objetivo da crítica literária não é apenas julgar obras. Deve também situá-las dentro de determinadas tradições. Ao fazê-lo, a literatura como um todo amplia seus limites, redimensionando obras e autores em um horizonte temporal e espacial mais amplo. 

Não por acaso, alguns dos grandes pensadores e escritores brasileiros, como José Guilherme Merquior, Antonio Candido, Otto Maria Carpeaux e Machado de Assis, entre outros, dedicaram-se de modo sistemático ao exercício da crítica literária. 

Nesse cenário, deve-se louvar o excelente projeto de reedição da obra de um dos maiores nomes da crítica literária brasileira: Lucia Miguel Pereira. O projeto é coordenado pela especialista Luciana Viégas e levado a cabo pela editora Graphia. Dois volumes haviam sido publicados, recobrindo períodos expressivos da atividade de Lucia como crítica: A Leitora e Seus Personagens e Escritos de Maturidade. 

Um terceiro volume, abrangendo artigos publicados de 1947 a 1955, acaba de vir à luz pela mesma editora: O Século de Camus. Como explica Viégas, estes últimos artigos foram descobertos em álbuns no espólio da autora. Trata-se de uma série de recortes dos periódicos impressos. Ou seja: é a primeira vez que esse rico material torna-se acessível aos leitores. 

Lucia. Volume abrange artigos publicados de 1947 a 1955: rico material
Lucia. Volume abrange artigos publicados de 1947 a 1955: rico material

Esses três volumes podem dar um panorama das mais de duas décadas de trabalho e de centenas de artigos, nos quais Lucia realizou uma meticulosa análise de obras, autores e vertentes, nacionais e estrangeiras. Os artigos foram publicados em sua grande maioria no Correio da Manhã e em O Estado de S. Paulo, dos quais a autora foi colaboradora regular.

Lucia tornou-se desde cedo uma figura mítica no mundo das letras, chegando a fazer sombra a seu marido, o historiador Octavio Tarquínio de Souza, cuja importante legado por sinal também aguarda uma reedição. O estudo de Lucia sobre Machado de Assis, saído do prelo em 1936, foi saudado com entusiasmo por Alceu Amoroso Lima, Manuel Bandeira, Monteiro Lobato, Álvaro Lins e Augusto Frederico Schmidt. Mesmo depois dos estudos excelentes assinados por Jean-Michel Massa, Roberto Schwarz, Alfredo Bosi, Raymundo Faoro e, recentemente, por João Cezar de Castro Rocha, a vida e a obra do bruxo do Cosme Velho narradas por Lucia continuam sendo uma referência indispensável de pesquisa.

Embora o título demonstre a paixão de Lucia pela literatura francesa, O Século de Camus trata de temas, obras e autores diversos, organizados em núcleos temáticos, como os outros dois volumes. Abrange literatura brasileira, autores ingleses e norte-americanos, o gênero romance e os romancistas, a arte da tradução. Trata de diários, biografias, correspondências e aspectos da cultura do pós-guerra. E, como era de se esperar, também reflete sobre o próprio ofício da teoria e da crítica literária. 

Um aspecto que norteia os artigos é a abrangência das linhagens, línguas e autores analisados, que perpassam Kafka, Eliot, Gide, Dickens, Dostoiévski, Julien Greene, além do próprio Camus, confrontado com Sartre. Entretanto essa amplitude não compromete a minúcia da análise formal de cada obra. 

Um dos pontos centrais do método crítico de Lucia é o que chamo de leitura dialógica. O que seria isso? Uma maneira de compreender uma obra a partir de elementos estranhos inseridos nessa mesma obra e que, no entanto, são essenciais para que a obra se realizasse como se realizou. Um exemplo disso é sua análise da fase inicial de Marcel Proust, quando este ainda não era o autor de sua obra-prima ficcional, mas um cronista, crítico e tradutor. 

O ensaio de Proust sobre o crítico Saint-Beuve fora imaginado primeiro em forma de diálogo. Mesmo tendo sido publicado como ensaio, a gênese da ficção proustiana, com suas centenas de páginas sobre arte e literatura diluídas na voz do narrador e dos personagens, encontrar-se-ia nessa tensão inicial entre o ensaio e a ficção. 

Nesse sentido, Lucia pode ser vista como uma precursora da atual crítica genética, baseada na investigação de processos criativos. 

Lucia também coteja as obras e suas respectivas recepções críticas, dirimindo equívocos de leitura. É o que também ocorre nas excelentes análises de Proust, um de seus autores de devoção e da qual foi tradutora. Além disso, trata de algumas obras que acabavam de ser publicadas em inglês e francês, o que demonstra o esforço de sintonizar o Brasil com os debates que corriam em outros países.

Outro aspecto importante é sua reflexão sobre a crítica literária, em especial sobre a tradição brasileira. Nesse sentido, a autora vincula-se à vertente de Silvio Romero, Capistrano de Abreu e ao próprio Machado de Assis, ou seja, àqueles que contribuíram para desvencilhar a crítica nacional de sua origem impressionista. 

Lucia costumava repudiar a imagem cristalizada do juízo e do rigor críticos como atributos masculinos. 

“Pensar ainda é a melhor forma de viver”, sentenciou, ecoando Pessoa e Valéry. Contra o preconceito e o sexismo, o legado de Lucia Miguel Pereira é valioso e ainda está para ser explorado pelas novas gerações de escritores e leitores. 

* RODRIGO PETRONIO É ESCRITOR, PROFESSOR DA FAAP E DOUTOR EM LITERATURA COMPARADA; AUTOR DE DIVERSOS LIVROS, MINISTRA OFICINAS DE ESCRITA E CURSOS LIVRES DE FILOSOFIA NA CASA CONTEMPORÂNEA, EM SÃO PAULO. 

O SÉCULO DE CAMUS

Autora: Lucia Miguel Pereira

Org.: Luciana Viégas

Editora: Graphia (328 págs., R$ 65)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX