1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Johnny Vai à Guerra' é única e ótima direção de Dalton Trumbo

- Atualizado: 30 Janeiro 2016 | 05h 00

Filme mostra o jogo de empurra entre médicos, padres e militares em face da tragédia pessoal de um soldado ferido

Johnny Vai à Guerra (1971) é o único filme de Dalton Trumbo como diretor. Pode-se dizer que esta solitária incursão por trás das câmeras é nada menos que estupenda. Baseado em romance do próprio Trumbo, de 1939, Johnny, com o passar dos anos, se tornou um dos mais poderosos filmes antibelicistas da história do cinema.

Quase inteiramente passado no interior da mente do seu protagonista, o jovem Joe Bonham (Timothy Bottons), de 20 anos, Johnny conta a história do jovem soldado que vai para o campo de batalha e tem seu corpo destroçado por uma bomba no último dia de combate. É dado como vegetal. Cego, surdo, sem braços e pernas, incapaz de se comunicar com o mundo externo, é mantido em vida de maneira artificial.

O filme, assim, limita-se ao mundo interno de Johnny, cuja consciência de seu estado desperta lentamente, suas tentativas de se comunicar com médicos e enfermeiras e também aos flashbacks, em que recorda sua vida, inclusive a única experiência sexual, vivida com a namorada antes de partir para a guerra.

Dilemas. Uma obra cáustica
Dilemas. Uma obra cáustica

Cáustico e crítico, o filme de Trumbo deixa médicos, militares e religiosos em posição difícil. Quando se descobre que Johnny não está tão morto quanto parece, surge a questão: o que fazer com ele? E as respostas virão de acordo com as conveniências do momento e crenças de cada um. Médicos, seguem o “protocolo”, como se sabe. Ou seja, não pensam e nem se adaptam às especificidades de cada situação. Religiosos obedecem a seus dogmas e militares refletem sobre as implicações políticas de um caso como este, tão incômodo. Há um diálogo interessante entre um padre e um general, quando debatem que fim deve ser dado àquele corpo tornado perturbador. O padre resume: “Foi a sua profissão que o produziu, não a minha”.

Nesse jogo de empurra, o único aceno humanista vem das enfermeiras, ou de algumas delas. Como a que descobre ser possível se comunicar com o ferido através do código Morse. Ou, na mais radical cena, aquela em que mostra que, mesmo um corpo tão mutilado, ainda é um corpo que deseja. É o irredutível do humano. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX