Divulgação
Divulgação

Futuro de ‘Star Wars’ pode estar nos livros

Primeiro volume da ‘Trilogia Thrawn’, de Timothy Zahn, lançado no Brasil, dá pistas sobre os filmes da franquia

Pedro Antunes, O Estado de S. Paulo

29 Janeiro 2015 | 20h42

O dia é 17 de dezembro de 2015. Nesta data, aquela galáxia muito, muito distante, não estará mais tão longe assim. Ao fim deste ano, os fãs da saga estrelar Star Wars terão a oportunidade de se reencontrarem com personagens queridos como Luke Skywalker, princesa Leia e Han Solo. No novíssimo Episódio VII - O Despertar da Força, dirigido por J.J. Abrams, três décadas se passaram desde que o imperador Palpatine e Darth Vader pereceram e uma nova república foi instaurada na galáxia, mas pouquíssimo se sabe a respeito do filme, a não ser que o trio de protagonistas, novamente interpretados por Mark Hamill, Carrie Fischer e Harrison Ford, estará de volta. As pistas, contudo, podem estar mais perto do que os fãs dos filmes poderiam imaginar. 

Muito do que será visto ao fim deste ano, nas telonas, pode estar no Universo Expandido de Star Wars, que engloba todo o material lançado com a chancela da Lucasfilm, empresa de George Lucas, criador da saga, como histórias em quadrinhos e livros. O precursor do UE é a Trilogia Thrawn, escrita por Timothy Zahn, vencedor do prêmio de literatura Hugo Award pelo romance Cascade Point (sem tradução em português), o primeiro a receber autorização para imaginar o que acontece após a derrota do império. 

O volume número um da trilogia, Herdeiro do Império, já está nas livrarias de todo o País, pela Aleph. Dark Force Rising (sem título em português) e O Último Comando, chegam às lojas em maio e agosto. 

“Deram permissão para que a história começasse de três a cinco anos após O Retorno de Jedi”, conta Zahn, em entrevista ao Estado. Ele recebeu a ligação apenas oito anos depois do lançamento do último filme da primeira trilogia de Star Wars. “Poderia usar qualquer personagem que quisesse, desde que não tivesse morrido no filme.” 

Na obra de Zahn, Luke, Leia e Han estão de volta, cinco anos mais velhos de como foram vistos nas telonas. O império foi derrotado, mas um homem ainda luta para tentar manter os planos de Palpatine vivos. Zahn criou o Grão-Almirante Thrawn, um gênio das batalhas e estrategista nato - e um vilão à altura de Vadder. “Uns dos meus objetivos na Trilogia Thrawn foi evitar usar o mesmo tipo de inimigos que havíamos visto nos filmes. Isso significa: nenhuma superarma (como a Estrela da Morte) ou vilões que usam a Força (poder de Jedis e seus inimigos Siths)”, explica Zahn. “Então, decidi criar um personagem que as tropas imperiais seguiriam de bom grado em uma batalha. Alguém que seja um gênio militar. Ele tinha que se importar com seus militares, capaz de se retirar caso a batalha estivesse contra ele. Assim, Thraw nasceu.” 

O texto de Zahn, como era de se esperar, passou pelo aval do próprio George Lucas, conhecido, até a venda da Lucasfilm pela Disney, pelo lado controlador quando o assunto é a principal obra. O esboço do autor passou por uma revisão e algumas mudanças foram sugeridas, como a não utilização de Obi-Wan Kenobi, personagem interpretado por Alec Guinness (versão mais velha) e Ewan McGregor, e a não utilização do termo “Sith”, que depois seria revelado ser uma versão antagônica dos Jedis. “Minha meta foi simplesmente tentar imaginar como a galáxia estaria cinco anos depois dos filmes. E criar uma boa história ali”, ressalta. 

O novo filme de Star Wars não terá interferência de George Lucas - ele, inclusive, disse que nenhuma das suas ideias para Episódio VII foram aceitas pela Disney. O também diretor J.J. Abrams e Lawrence Kasdan, roteiristas de dois filmes da saga, assinam a nova história. Em meio a tanto mistério e apenas um trailer de pouco mais de um minuto revelado, a busca pelo futuro de Star Wars está nos livros, em um mundo imaginado por Zahn, entre outros. “Espero que algo que eu criei esteja nos novos filmes. Todos os autores do universo expandido têm essa esperança”, diz ele. “Mas vamos saber nos cinemas, como outros milhões de fãs.”  

Mais conteúdo sobre:
star wars cinema literatura, timothy zahn

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.