Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Daniel Galera vence Prêmio São Paulo de Literatura

O mineiro Jacques Fux e a paulistana Paula Fábrio ganharam na categoria autor estreante

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

25 Novembro 2013 | 21h01

Com seu romance de mais fôlego, Barba Ensopada de Sangue (Companhia das Letras), Daniel Galera venceu o Prêmio São Paulo de Literatura e ganhou R$ 200 mil - é o valor mais alto pago em um concurso literário nacional. A obra, cujos direitos já foram vendidos para mais de 10 países, retrata o cotidiano de um professor de educação física que se estabelece numa cidade praiana catarinense na tentativa de desvendar a misteriosa morte do avô.

Além de Galera, foram premiados Jacques Fux e Paula Fábrio nas categorias autor estreante com menos de 40 anos e estreante com mais de 40 anos, respectivamente. Cada um deles ganhou R$ 100 mil.

Barba Ensopada de Sangue é o terceiro romance do autor, que estreou no gênero em 2003 com Até o Dia em Que o Cão Morreu, adaptado para o cinema por Beto Brandt - o filme ganhou o título de Cão Sem Dono. Depois vieram Mãos de Cavalo e Cordilheira, vencedor do Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras.

Aos 34 e autor também da graphic novel Cachalote, em parceria com Rafael Coutinho, e do livro de contos Dentes Guardados, Galera, que nasceu em São Paulo e foi criado em Porto Alegre, desbancou veteranos como Zuenir Ventura e Francisco Dantas.

Concorriam, ainda, Evandro Affonso Ferreira, ganhador do Jabuti 2013 de melhor romance com O Mendigo Que Sabia de Cor os Adágios de Erasmo de Rotterdam - Barba Ensopada de Sangue foi o terceiro colocado naquela competição, Ronaldo Correia de Brito, vencedor do São Paulo em 2009, Elvira Vigna, José Luiz Passos, Miguel Sanches Neto, Ricardo Lísias e Xico Sá.

Galera volta a se encontrar com Sanches Neto e Passos, e ainda com o português de origem angolana, Valter Hugo Mãe, na fase final do Prêmio Portugal Telecom, que anuncia o vencedor em 4 de dezembro.

Estreantes. Em 2013, a organização do Prêmio São Paulo desmembrou a categoria Melhor Romance de Autor Estreante em duas - uma para escritores com menos de 40 anos e outra para os com mais de 40. Aos 36 anos, o mineiro Jacques Fux foi premiado pelo romance Antiterapias (Scriptum), que acompanha a busca de um jovem judeu mineiro por um lugar no mundo - da infância aos seus 33 anos. Fux faz pós-doutorado e pesquisa literatura, trauma e as representações artísticas na Era Pós-testemunho do Holocausto. Em 2011, ele publicou Literatura e Matemática: Jorge Luis Borges, Georges Perec e o OULIPO e venceu o Prêmio Capes 2011 de melhor tese do Brasil em Letras/Linguística.

Nascida em 1970, em São Paulo, Paula Fábrio venceu a segunda categoria com Desnorteio (Patuá), um romance que discute questões sociais e psicológicas ao contar a trajetória de três irmãos que viram mendigos no interior paulista na segunda metade do século 20. Paula é formada em comunicação social, teve uma livraria, foi gerente de acervo da Biblioteca São Paulo e faz mestrado na USP.

Premiação. Daniel Galera não compareceu à cerimônia, realizada na noite desta segunda-feira, 25, no Museu da Língua Portuguesa. Segundo sua editora, a Companhia das Letras, ele está viajando a trabalho.

Jacques Fux e Paula Fábrio, os estreantes premiados, contaram que seus livros, editados pelas independentes Scriptum e Patuá, respectivamente, saíram com tiragens de 500 exemplares - a tiragem inicial de livros de autores nacionais de uma editora comercial é de 2 mil exemplares.

"Não vendi nem 200", disse Paula. "Eu não sei, mas não foi muito não", emendou Fux. Com o prêmio, esperam que suas obras tenham mais visibilidade.

Para Paula, a escolha dos dois indica um novo momento do mercado. "Ter autores estreantes, de editoras pequenas, aparecendo mostra que tem trabalho muito bom que não está nas grandes editoras."

Mais conteúdo sobre:
literatura prêmio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.