Divulgação
Divulgação

Casa do escritor Mário de Andrade é aberta para visitação em SP

Foi no imóvel da Lopes Chaves que o autor de 'Macunaíma' viveu até a morte; exposição permanente será aberta no sábado, dia 23

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

23 Maio 2015 | 08h00

A casa em que Mário de Andrade viveu de 1921 até sua morte, em 1945, na rua Lopes Chaves, é sede, desde 1990, da Oficina da Palavra Casa Mário de Andrade. Lá, são realizados cursos nas áreas de literatura e texto. Do escritor, restava apenas o piano, encostado num canto da recepção. Quem quisesse entrar para conhecer o espaço podia, mas tinha que imaginar como era tudo no tempo em que o escritor vivia por ali - e como era quando ele recebia, às terças de 1922, os outros quatro integrantes do Grupo dos Cinco: Oswald de Andrade, Tarsila, Anita Malfatti e Menotti del Picchia. 

Fechada nos últimos meses para reforma, a casa será reaberta neste sábado, dia 23, às 11 horas, com uma nova cara e novo nome: Oficina Cultural Casa Mário de Andrade. Os cursos continuarão sendo realizados lá, mas agora o espaço ganhou ares de museu. Em quatro das salas, os visitantes poderão ver a exposição permanente Morada do Coração Perdido. Carlos Augusto Calil, cineasta e ex-secretário de Cultura de São Paulo, foi o responsável pela curadoria e entre os itens expostos estão cartas inéditas, seus óculos, a pasta de couro, suporte de mata-borrão e espátula feitos de casca de tartaruga e livro com carimbo de clichê de chumbo em formato de cruz - a marcação utilizada por ele para organizar sua biblioteca.

A primeira novidade estará logo na entrada: um estátua com a silhueta de Mário com sete metros de altura e 300 quilos. A inspiração foi um desenho feito pela americana Beatrix Scherman em 1922 ou 1923.

Para marcar a reinauguração, o ator Pascoal da Conceição interpretará Mário de Andrade e recepcionará o público. 

Outra novidade foi a instalação de um galpão com capacidade para 200 pessoas, na rua Margarida, que estará aberto também aos sábados e domingos para exibição de filmes, apresentação de peças, shows, etc.

Um poema de Mário de Andrade em que ele cita a casa da Lopes Chaves:

Na rua Aurora eu nasci

Na aurora da minha vida

E numa aurora cresci.

No Largo do Paissandu

Sonhei, foi luta renhida,

Fiquei pobre e me vi nu.

Nesta rua Lopes Chaves

Envelheço, e envergonhado

Nem sei quem foi Lopes Chaves

(Poesias Completas)

Oficina Cultural Casa Mário de Andrade

Rua Lopes Chaves, 546 - Barra Funda. Tels. 3666-5803 e 3826-4085. De 2ª a 6ª, das 13 h às 22 h e sábado, das 9 h às 13h

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.