Cadernos de anotações de Camus ganham edição em português

São três volumes que compreendem os períodos de 1935 a 1937, 1937 a 1939 e 1939 a 1942 e que permitem acompanhar a gestação da obra do intelectual

Rodrigo Petronio, Especial para O Estado de S. Paulo

04 Julho 2014 | 20h11

De todos os escritores franceses, Albert Camus é aquele que melhor consegue realizar um prodígio: captar a empatia dos leitores logo nas primeiras linhas. Pode-se pensar que o frescor da inteligência que se respira em sua escrita é um patrimônio da grande literatura francesa, de Montaigne a Proust. Porém, poucos como Camus conseguiram estabelecer esse tipo de intimidade imediata com o leitor. O segredo desse vínculo afetivo se manifesta de maneira privilegiada em uma parte de sua obra ainda inédita no Brasil: seus cadernos de anotações. 

Por meio do trabalho excelente da editora Hedra, o leitor pode agora tomar contato direto com as anotações de Camus em três fases decisivas de sua vida e obra: Esperança do Mundo (1935-37), A Desmedida na Medida (1937-39) e A Guerra Começou, Onde Está a Guerra? (1939-42). As traduções, bibliografias, cronologias e notas são assinadas por Raphael Araújo e Samara Geske, especialistas na crítica genética de Camus (análise de seus manuscritos). A edição conta com a participação de Claudia Amigo Pino, Nilson Silva e dos próprios Araújo e Geske, que assinam longos e esclarecedores posfácios sobre a importância dos cadernos na obra do escritor argelino. 

Um dos pontos altos dos cadernos é a possibilidade de ver com muita nitidez a gestação das obras. A transformação de metáforas obsessivas em mitologia pessoal, percurso de todos os escritores e artistas, segundo Charles Mauron. Esse paralelo pode ser estabelecido com as obras publicadas concomitantemente à escrita dos cadernos, tais como O Avesso e o Direito (1937), Núpcias (1939), Calígula (1941), O Estrangeiro (1942) e O Mito de Sísifo (1942). Estas três últimas são descritas por Camus dentro de um projeto intitulado os “três absurdos”, relativo ao primeiro ciclo de sua produção. 

As imagens recorrentes do árabe, do sol e da morte (março e abril de 1935), por exemplo, articulam-se entre si em um fragmento de agosto de 1937. Segundo o crítico Roger Quilliot, este fragmento seria a primeira formulação consciente de O Estrangeiro. Em anotações ulteriores, vemos esboços mais desenvolvidos de cenas com o protagonista Mersault e um fragmento das primeiras linhas do romance surge em agosto de 1938. Uma longa reflexão sobre o estrangeirismo aparece no final de 1940, dois anos antes da publicação de seu romance. 

O tema central do suicídio se esboça pelas primeiras vezes quando o escritor tem apenas 23 anos (março de 1936). Além disso, delineiam-se imagens e unidades narrativas que atravessarão os romances posteriores à escrita destes cadernos, incluindo obras póstumas. O tema da mãe inaugura o primeiro fragmento do primeiro caderno e vai reverberar em romances e ensaios tardios. Também no primeiro caderno aparece o tema da morte feliz, que virá a ser o título de uma obra publicada postumamente. As linhas gerais de O Verão (1954) surgem nestes cadernos quinze anos antes, no final de 1939. A primeira aparição de Jeanne, esposa de Grand, de A Peste (1972), ocorre em anotações de dezembro de 1938. O tema da peste retorna em abril de 1941. 

Outros aspectos chamam a atenção: principais núcleos filosóficos que serão organizados nos ensaios; informações autobiográficas; notas sobre política e guerra; impressões de cidades como Orã e Paris; intelectuais e conflitos de consciência; relação entre cristianismo e humanismo. E inclusive menções a temas, obras e autores raramente associados a Camus: Spengler, biologia, meteorologia, arte etrusca, religiões arcaicas, filosofia do mito. Todos esses aspectos se articulam no corpo de sua obra filosófica e ficcional. Mundo, linguagem e pensamento coincidem neste autor que desde muito jovem tomara a decisão existencial de “não se separar do mundo” (maio de 1936). 

Por isso, o engajamento para Camus é um enraizamento na vida. Assemelha-se àquela “exata proximidade da vida”, de que falava Walter Benjamin. Nesse sentido, a “revolta metafísica”, deflagrada em O Homem Revoltado (1951), também pode ser detectada nestes cadernos (março de 1940). Isso demonstra outro fato importante: a ruptura de Camus com os caminhos adotados pelo socialismo foi gestada ao longo de anos. Desenvolveu-se coerente e embrionariamente desde quando tinha pouco mais de 20 anos de idade. Não foi um gesto intempestivo, como queria a acusação de Sartre.

Os cadernos mesclam fragmentos técnicos, anotações de trabalho do escritor e trechos mais finalizados. Por isso, podem interessar tanto a aficionados e especialistas na obra de Camus quanto a apreciadores de literatura em geral. Além disso, esse estilo fragmentário tem uma longa tradição na história do pensamento: dos pré-socráticos a Nietzsche, Cioran, Leopardi, Valéry, Adorno, Benjamin. Nesse sentido, os cadernos não devem ser vistos como meras anotações a serviço de obras acabadas. Pelo contrário, são uma obra viva e movediça, válida por si mesma.

O cerne do pensamento de Camus é uma meditação sobre o absurdo. O absurdo não ocorre por causa de uma eventual irracionalidade, pois não é uma condição intelectual, mas existencial. O absurdo é “perfeitamente claro”. Encontra na lucidez o seu repouso e na indiferença, sua perfeição consumada. “Eu perdi o paraíso do sofrimento”, anota Camus em dezembro de 1938. A forma final do absurdo é a destinação das criaturas a um mundo ausente de sofrimento e, por isso, sem redenção. 

Pensamos o mundo como um dado de sentido, quando na verdade ele é apenas um ato de amor. E o absurdo é a incapacidade dessa vinculação mundana e amorosa. É por isso que mesmo quando nos distanciamos de Camus amamos Camus. Talvez o amemos à medida mesma que nos tornamos estrangeiros à sua indagação radical. Esse é o segredo e o paradoxo vinculante de Camus. Ao espelhar suas misérias e esperanças em uma escrita descontínua, reunificou em um mosaico os fragmentos da face humana. E assim, mais do que em um autor, transformou-se em um espelho de nós mesmos.

A Esperança do Mundo

Autor: Albert Camus

Tradução: Samara Geske e Raphael Araújo

Editora: Hedra (104 págs., R$ 32)

A Guerra Começou, Onde Está a Guerra?

Autor: Albert Camus

Tradução: Samara Geske e Raphael Araújo

Editora: Hedra (138 págs., R$ 32)

A Desmedida na Medida

Autor: Albert Camus

Tradução: Samara Geske e Raphael Araújo

Editora: Hedra (134 págs., R$ 32)

Rodrigo Petronio é escritor e filósofo. Professor da pós-graduação da Faap e do Museu da Imagem e do Som (MIS) 

TRECHOS DOS CADERNOS DE CAMUS:

Maio de 1936

Não se separar do mundo. Não se desperdiça a vida quando ela é conduzida sob a luz. Todo meu esforço, em todas as posições, as desgraças, as desilusões, é encontrar os contatos. E, mesmo em meio a essa tristeza em mim, que desejo de amar e que êxtase ante a simples vista de uma colina no ar da noite.

Mas, para isso, não perder seu tempo. Procurar a experiência extrema na solidão. Purificar o desafio pela conquista de si mesmo - sabendo-o absurdo.

Maio de 1937

Psicologia é ação - não reflexão sobre si mesmo. O homem se determina ao longo de sua vida. Conhecer-se perfeitamente é morrer.

Setembro de 1937

O mundo é belo e está aí. A grande verdade que ele pacientemente ensina é que a mente não é nada, nem mesmo o coração. E a pedra que o sol esquenta ou o cipreste que o céu engrandece e limita são o único mundo no qual "ter razão" ganha um sentido: a natureza sem homens.

Lamber a vida como um torrão doce, moldá-la, afiá-la, amá-la enfim, como se busca a palavra, a imagem, a frase definitiva, aquilo ou aquela que conclui, que detém, como o que se partirá e que fará dali em diante todo o colorido de nosso olhar.

Dezembro de 1937 

Diante da noite cada vez mais carregada de estrelas, e a cidade, como um céu invertido, repleta de luzes humanas, sob o sopro quente e profundo que subia do porto até seu rosto, vinha a sede daquela fonte tépida, a vontade sem freios de apreender naqueles lábios vivos todo o sentido desse mundo desumano e adormecido, como um silêncio encerrado em sua boca.

Junho de 1938

Miséria e grandeza desse mundo: ele não oferece nenhuma verdade, mas amores.

Essa singular vaidade do homem que se deixa e quer crer que aspira a uma verdade quando o que ele pede a esse mundo é um amor.

Setembro de 1939

Morre-se só. Todos vão morrer sozinhos. Que ao menos o homem sozinho mantenha aqui o poder de seu desprezo e de escolher na atroz provação o que serve para a sua própria grandeza.

Uma noite em que nos aproximamos do espelho, um vinco mais profundo cava os lábios. Mas o que é isso? Isso é aquilo com que dominei minha felicidade.

Se for verdade que o absurdo está consumado (ou melhor, revelado), então é verdade que nenhuma experiência tem valor em si, e que todos os gestos são no mesmo nível instrutivos.

Mais conteúdo sobre:
Literatura Albert Camus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.