1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
http://www.estadao.com.br/tudo-sobre/flip-2015

Benjamin Moser vem para a Flip 2016

- Atualizado: 27 Março 2016 | 15h 46

Autor, editor e tradutor está confirmado para a próxima edição em Paraty e vai falar sobre o Brasil e sobre Clarice

 
 

Depois de confirmar a presença da Prêmio Nobel de Literatura de 2015, Svetlana Aleksiévitch, a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) tem outro convidado agora anunciado para a próxima edição: Benjamin Moser.

O editor, tradutor e escritor norte-americano, especialista e divulgador da obra de Clarice Lispector, vem ao Brasil com três livros que serão lançados até a Flip, que neste ano ocorre entre 29 de junho e 3 de julho.

Moser vai lançar pela editora Planeta (no novo selo Crítica) o livro Auto-Imperialismo, uma reunião de três ensaios sobre o Brasil. Um deles é Cemitério da Esperança, já lançado em e-book por aqui, em que ele analisa o que chama de “histórica destruição da cidade brasileira”, que segundo o autor tem tudo a ver com o atual momento político do País.

“É por isso que estou publicando esse livro agora, em vez de deixá-lo numa gaveta. O Brasil está querendo uma revolução, ou contra a Dilma ou a favor, mas a retórica é a mesma. A retórica quer escapar da situação do País por uma coisa meio de mágica”, explica o autor, por telefone, de Utrecht, na Holanda, onde vive. Ele diz que essa retórica, antes, se dava nas questões urbanas. “As pessoas pensavam ‘vamos deixar de ser o Brasil, Pernambuco ou São Paulo, e vamos virar Paris, Miami, Nova York’. Mas ninguém nunca disse ‘vamos virar Recife, vamos ficar do jeito que estamos e melhorar’”, compara – e é mais ou menos isso que ele diz que o Brasil precisa: “Não é uma revolução, o Brasil precisa do contrário, instituições e estabilidade”.

O “autoimperialismo” do título – uma proposta de conceito de Moser – se refere então ao fato de continuamente “o Brasil invadir o Brasil”. “Não sou partidário de ninguém, todo mundo sabe que o PT é muito ruim, ou pelo menos muita gente no PT. Mas a Madre Teresa de Calcutá não está em outro partido. O jeito é aprender a olhar o País com mais calma, é nisso que estou tentando contribuir. Mostrar um quadro. É um país que eu tenho a impressão que se odeia profundamente”, lamenta.

Os outros dois volumes que Moser lança no Brasil ainda neste semestre se referem a Clarice Lispector. A partir do dia 2 de maio, chega às livrarias, pela Rocco, a edição Todos os Contos, organizada de forma inédita pelo norte-americano. O livro foi lançado primeiro nos EUA, em julho de 2015, e ganhou destaque inédito para um escritor ou escritora brasileiro quando o The New York Times deu uma ampla cobertura para o lançamento.

“Lispector é espantosamente estranha, mas suas percepções aparecem tão rápido, desviam-se de maneira tão selvagem entre o mundano e o metafísico, que depois de um tempo você não sabe onde está, tanto no livro quanto no mundo”, escreveu o crítico Terrence Rafferty. No mesmo jornal, o jornalista Larry Rother escreveu que a autora, nos seus escritos, “rapidamente se move para um reino no qual os sons parecem se tornar discordantes, onde a paisagem vacila, com as cores assumindo tons esquisitos”.

“Nos EUA, um livro brasileiro nunca tinha tido tanto sucesso. A repercussão foi além das minhas expectativas”, diz Moser.

A repercussão positiva também é resultado de um trabalho “missionário” do autor, que começou há pelo menos 12 anos, quando ele iniciou sua empreitada de escrever a biografia da autora, também lançada nos EUA, e com a tradução e publicação de cinco romances – uma nova edição da biografia vai sair por aqui pela Companhia das Letras.

Com a nova edição dos contos, Moser acredita que até quem conhece bem a autora poderá ter uma nova percepção sobre sua obra. Edições na Alemanha, França, Portugal, Espanha e Turquia também estão previstas. “Não é todo mundo que é sensível ao trabalho da Clarice. É como montar um partido político, você tem que saber quem pode contribuir com o quê”, compara o autor. “Se você soubesse quantos e-mails eu já mandei na vida em prol da Clarice... é uma loucura”, ri.

O autor agora trabalha numa biografia de Susan Sontag, a ser publicada em 2017. “Ela é espetacularmente brilhante e totalmente maluca. Mas esse livro está cheio de fofoca porque ela tinha casos, conhecia ou brigava com metade da intelectualidade mundial”, ri o autor. “Vai ser um livro muito diferente do da Clarice.”

http://www.estadao.com.br/tudo-sobre/flip-2015
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX