1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Anunciação’, de Vanessa C. Rodrigues, mostra que não há ressurreição redentora

- Atualizado: 23 Janeiro 2016 | 04h 59

Vanessa revela-se uma escritora capaz de trabalhar com segurança e naturalidade diversos tons de acordo com a natureza da situação narrada

Com a novela Anunciação, a paranaense Vanessa C. Rodrigues revela-se uma escritora capaz de trabalhar, com segurança e naturalidade, diversos tons de acordo com a natureza da situação narrada, do modo beat do início, à embriaguez da “heroína” num pub londrino, até os lances surrealistas em que é dada, de maneira negativa, a aceitação da “boa nova” à personagem. Sua consciência assume a história como uma reprodução da Pietà, que começa no útero – o princípio da morte. Percorre-se o labirinto dessa via-crúcis íntima e a linguagem torna-se ziguezagueante, revelando-se o conteúdo da narrativa – compare-se aos textos monocórdios em que personagens diferentes falam da mesma maneira que o narrador, para que se perceba a diferença entre uma artista da palavra e um contador de histórias sem maiores preocupações – a não ser que use recurso técnico de outra natureza, mas de eficácia equivalente. 

'Anunciação' é o segundo livro da autora; o primeiro foi de poemas
'Anunciação' é o segundo livro da autora; o primeiro foi de poemas

É um desafio pesado, qualquer deslize e tudo pode cair na banalidade mais sem graça e monótona das peripécias comuns de uma garota e mulher classe média, sua revolta inicial e o final cooptado, de acordo com a engenharia da sociedade. O sonho libertário beat está expresso numa paródia àquele estilo desbravador de Kerouac –, o que imprime um sabor não nostálgico, mas crítico ao trecho. E a perspectiva crítica mantém-se ao longo do livro, com distanciamento, humor, ironia – o domínio da expressão, devo frisar, não se limita a um exercício virtuosístico e vazio. Seria uma novela de formação, de aprendizado, do ponto de vista tradicional, porém essa formação se mostra enganosa – o que há, na verdade, é a submissão a uma máquina que refuga qualquer mudança na linha produtiva e tudo ocorre sob o comando de uma inteligência coercitivamente subliminar. 

A história cristã de Maria e seu filho resume a dúbia tragédia da maternidade. Como suportar a ideia de que se leva no ventre um ser para a morte, num mundo sem nenhum sentido? Aqui e agora não há chance para ressurreições redentoras. A personagem reconhece isso ao se comparar às ratazanas e sua tarefa de parir por parir em pleno esgoto universal. O pânico diante da própria morte e da morte do feto, porém, funciona como o momento extremo da revelação, feita não pelo anjo da luz, mas pelo anjo da treva, quando o fim se mostra iminente. Não cabe à ficcionista apontar saída para esse beco, apenas recriar com palavras uma situação patética e ridícula. Ninguém escolhe ser homem ou mulher, e a situação existencial de cada sexo tem suas peculiaridades – embora a implicação seja a mesma. A consciência da porcaria toda é clara, mas no meio disso há espaço para um sorriso tão impressionante quanto inexplicável e corriqueiro diante da continuidade cega da existência em outro ser. O diálogo com o final de Memórias Póstumas não deve ser por acaso.

ANUNCIAÇÃO

Autora: Vanessa C. Rodrigues

Editora: Oito e Meio (89 págs., R$ 35)

MOACIR AMÂNCIO É PROFESSOR DE LITERATURA DA USP E POETA

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX