Divulgação
Divulgação

'A saga do bruxinho veio para ficar', diz Paulo Rocco sobre 'Harry Potter'

Editor fala sobre 'Harry Potter e a Criança Amaldiçoada'

Entrevista com

Paulo Rocco

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

29 Outubro 2016 | 05h00

Como você conseguiu os direitos de publicação de Harry Potter para o Brasil?

O livro foi oferecido por um agente literário que sempre nos deu ótimas dicas. Ele me ligou e falou do Potter, dizendo que era um lançamento recente e que já fazia muito sucesso na Inglaterra. Pedi um exemplar que foi avaliado pela Vivian Wyler (gerente editorial). Ela aprovou. Voltei a ligar para o agente, que me fez uma oferta. Negociamos e acabei fechando negócio pelos dois primeiros volumes. Quando estávamos no processo de edição, o livro estourou nos Estados Unidos e, em seguida, tornou-se um fenômeno mundial. Aí, foi preciso correr com a nossa edição.

É verdade que outras editoras nacionais recusaram o livro antes?

Até onde sei, sim (na verdade, o livro foi recusado por, pelo menos, três editoras: Companhia das Letras, Objetiva e Record).

Produtos Harry Potter parecem não ter fim, certo?

Harry Potter veio para ficar. O público se renova a cada ano e sempre teremos novos leitores. E a J. K. Rowling sabe disso, especialmente o gosto particular de cada nova geração.

Você sabe se a peça será montada no Brasil?

Por ora, não haverá nenhuma montagem estrangeira. E o primeiro lugar deverá ser a Broadway.

 

Mais conteúdo sobre:
Literatura Harry Potter

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.