The Cavern, o ´clube dos Beatles´, prestigia passado e futuro

Pub onde o grupo começou a ganhar destaque é freqüentado por jovens talentos

Agencia Estado

14 Junho 2007 | 17h56

O som de rock ´n roll é ouvido no fundo, enquanto spots amarelos e vermelhos iluminam os corredores escuros do The Cavern. Tudo está quase como era na época em que os Beatles tocaram aqui, só que não estamos mais na década dos "swinging 1960´s". O The Cavern ainda atrai peregrinos a Liverpool para homenagear o passado, mas o bar legendário onde os Fab Four começaram a ganhar destaque também se tornou um lugar onde músicos de hoje buscam a fama futura. Ao lado de seu papel reconhecido na preservação do legado dos Beatles, o pub mundialmente conhecido também abriga concursos como o International Pop Overthrow, realizado no mês passado. "O The Cavern não se fixa apenas no passado, mas também na música de hoje", disse o proprietário e gerente do clube, Dave Jones. "Não estamos presos ao passado; vendemos o presente e o futuro. Mas, para quem vem aqui numa espécie de peregrinação, procuramos oferecer isso a eles de maneira natural." Original O Cavern original, no qual os Beatles começaram a apresentar-se em 1961, foi demolido em 1982 para a escavação do terreno. Mas os tijolos da construção foram guardados, tratados e usados na construção do clube que hoje ocupa seu lugar. O clube foi fechado por algum tempo, mas reabriu em 1991 sob nova direção. Os arcos de tijolinhos aparentes e o palco com fundo de mosaico foram reconstruídos para se parecerem o máximo possível com a casa original, disse Jones. Telas de TV enfeitam as cavidades nas paredes e exibem imagens de concertos e entrevistas dos Beatles. As quintas-feiras são reservadas para bandas de tributo aos Beatles. Em agosto o clube vai comemorar o 40o aniversário do álbum Sgt. Pepper´s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles. Os Beatles - ou, melhor dizendo, os dois membros da banda que ainda sobrevivem - ainda aparecem no local de vez em quando. Paul McCartney escolheu o Cavern para fazer sua última apresentação ao vivo no século 20, e Ringo Starr passou por lá em 1993. ´Histórico´ "É o nome, é o fascínio que leva as bandas a quererem tocar aqui", disse Jones. Atraídos pela história do clube e a possibilidade de serem contratados por grandes gravadores, artistas de todo o mundo procuram o the Cavern. Brian Epstein, que se tornaria o empresário dos Beatles, viu a banda pela primeira vez em 1961, no The Cavern, e a contratou. Músicos modernos - como Nicola Finezza, que veio da Itália com sua banda Home - também se emocionam com a possibilidade de tocar no The Cavern e torcem para também fazer sucesso. "Existe história aqui", disse Finezza. "Os Beatles fizeram história; música rock´n´roll foi feita aqui."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.