Sucesso na Broadway, 'O Rei Leão' chega a SP em março

A animação "O Rei Leão" ainda bombava nas bilheterias quando a diretora Julie Taymor foi convidada pela própria Disney para adaptar a história para a Broadway. Era 1996 e Julie, com uma sólida carreira no teatro, chegou para a reunião com Tom Schumacher, que estava assumindo a recém-criada divisão de teatro da companhia, com um discurso pronto: "Não quero fazer um musical ao estilo Disney, em que o segredo da fantasia não pode ser revelado", disparou ela. "Quero que a plateia veja o ator manipulando o boneco e crie sua própria fantasia." Para sua surpresa, era exatamente isso que Schumacher pretendia, um produto com o selo Disney que não se parecesse... com um produto da marca Disney.

AE, Agência Estado

03 Outubro 2012 | 09h53

O restante da história já se tornou lenda na Broadway: "O Rei Leão" estreou em 1997 e, em cartaz até hoje, logo se tornou um estrondoso sucesso, faturando cerca de US$ 4,8 bilhões e batendo nas bilheterias um super peso pesado, "O Fantasma da Ópera", que está há muito mais tempo na estrada - estreou em 1986. É tal ousadia criativa e financeira que foi apresentada nesta terça-feira para a imprensa, no Teatro Abril, onde Julie, Schumacher e mais o staff da Disney internacional e o da Time For Fun contaram como será a versão brasileira de "O Rei Leão", com estreia marcada para 7 de março de 2013.

Será a maior produção musical já realizada no Brasil, com participação de atores estrangeiros: do total de 57, oito serão sul-africanos, pois o espetáculo possui diversas músicas no idioma zulu. De quebra, canções traduzidas por Gilberto Gil. A história é fiel à trama da animação e conta a trajetória de Simba, pequeno leãozinho filho de Mufasa, que governa a floresta. O nascimento do jovem desperta a ira de Scar, irmão do rei, pois diminuem suas chances de assumir a coroa. Assim, bem ao estilo "Hamlet", Scar mata Mufasa e acusa Simba de permitir a morte do pai. O rapaz é obrigado a fugir do reino e amadurece a distância, até chegar o momento de voltar e retomar o poder.

"O desafio era, a partir de um filme muito popular, manter sua essência e transformá-lo em uma montagem teatral", comenta Julie, que utilizou sua experiência pessoal (morou muitos anos em países do Oriente) para descobrir o fio da meada: o musical necessitava preservar o tom africano da história sem que a tecnologia fosse abusiva, embora necessária.

Assim, em seu primeiro "confronto" com os dirigentes da Disney, ela fez questão de sustentar a ideia de que todo o mecanismo de manipulação dos bonecos fosse visível pela plateia. Mais: os próprios protagonistas não esconderiam o rosto, ainda que carregassem máscaras no alto da cabeça. "Poderia parecer algo ousado em uma produção da Disney, que sempre preservou a construção da fantasia", comenta Tom Schumacher. "Mas era exatamente isso que nos interessava, um produto que mantivesse intacta a magia a partir de novos caminhos."

Com a rara oportunidade de correr riscos em uma produção comercial, sem que nenhum dos lados saísse perdendo, Julie assumiu a criação dos figurinos, das máscaras e dos objetos manipuláveis. E, para cada personagem, desenvolveu linhas e traços que o identificassem diante do público. "Era para ser África e Disney, sem que nenhum saísse perdendo." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
teatro O Rei Leão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.