Sopranos mantêm realismo até o último capítulo

Fim da série sobre família de mafiosos foi ao ar nos EUA no último domingo

Agencia Estado

14 Junho 2007 | 17h59

Foi ao ar no domingo, 10, nos Estados Unidos, o último episódio de Família Soprano (The Sopranos), a série da HBO que é considerada o melhor drama dos últimos tempos. Os Sopranos foram criados há oito anos para mostrar o estilo de vida e os contratempos de uma família de mafiosos. E a saga chegou ao fim em seu 86.º capítulo. Tony, interpretado pelo ator James Gandolfini, comandou uma das famílias mais imperfeitas da TV - e uma das mais realistas. Toda a história da máfia foi construída com o auxílio de um ex-mafioso. E a ficção criou Os Sopranos como uma versão moderna de O Poderoso Chefão, mas sem italianices exageradas. Os Sopranos são tipicamente americanos. O trunfo da última temporada foi mostrar o desgaste do chefão sem ser piegas. E, quando tudo parece perdido, Tony dá um jeitinho, como sempre. O capítulo final reflete essa decisão dos roteiristas de manter a realidade. Não há arrependimentos, culpas nem peripécias hollywoodianas para redimir ninguém. Afinal, a vida real não tem dessas coisas. Aqui no Brasil, Família Soprano vai ao ar na HBO, aos domingos, às 21 horas; e no SBT, às quintas, às 21h15.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.