Sete estátuas de Fernando Botero são roubadas na Itália

Segundo agentes, valor de mercado legal das estátuas está em torno de R$ 7 milhões

EFE,

22 Outubro 2007 | 17h49

Sete estátuas do escultor e pintor colombiano Fernando Botero avaliadas em US$ 3,5 milhões (R$ 7 milhões) foram roubadas de uma fundição na cidade italiana de Pietrasanta, informaram nesta segunda, 22, os carabineiros, nome pelo qual são conhecidos os policiais militares da Itália.   O roubo das peças, de 50 por 70 centímetros, foi denunciado nesta segunda-feira, 22, pelos diretores da oficina de fundição L'Arte, que é um dos estabelecimentos de confiança de Botero, que tem um pequeno estúdio em Pietrasanta, explicaram policiais à Efe.   As estátuas, levadas durante a madrugada, foram Adán, El Perro, Gato Codón, Mujer con mano en sus cabellos, Bailarina Vestida, Bailarina en Movimiento e Gorrión.   Segundo os agentes, as peças já estavam prontas para serem recolhidas. Embora ainda não estivessem certificadas, o valor de mercado legal das estátuas estaria em torno dos US$ 3,5 milhões (R$ 7 milhões), acrescentaram.   Segundo uma primeira reconstituição, os ladrões entraram por uma porta traseira, mas a polícia ainda verifica enquanto mantém a busca pelas peças.   Os carabineiros afirmaram que não fizeram contato com Botero, mas não descartaram que a oficina tenha feito, já que a casa italiana do escultor fica nas proximidades.

Mais conteúdo sobre:
Fernando Botero Itália estátuas roubadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.