Roberto e Caetano cantam Tom Jobim nesta sexta no Rio

Cantores farão ainda duas apresentações em São Paulo, na segunda e terça, no Auditório Ibirapuera

Lauro Lisboa Garcia, de O Estado de S. Paulo ,

22 Agosto 2008 | 10h27

A expectativa para o encontro de Roberto Carlos e Caetano Veloso nesta sexta-feira, 22, no Teatro Municipal do Rio, cantando Tom Jobim, é de um "show histórico", que vem até tirando o sono de fãs ansiosos. São Paulo mata a curiosidade na segunda e na terça, no Auditório Ibirapuera, onde as apresentações serão gravadas para um programa de fim de ano da Rede Globo de Televisão e futuro lançamento em DVD.   Veja também: Roberto e Caetano ensaiam para homenagem a Tom Jobim Ouça trecho de 'Como Dois e Dois'  Ouça trecho de 'Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos'  Ouça trecho de 'Lígia'    Caetano e Roberto em ensaio para o show desta sexta no Rio. Foto: Fábio Motta/AE Juntos, eles vão cantar seis músicas, entre elas A Felicidade, Chega de Saudade e Teresa da Praia. Nas performances individuais, cada um se apresenta com sua banda/orquestra e seus respectivos maestros: Jaques Morelenbaum e Eduardo Lages. Dentre os clássicos de Jobim escolhidos por Roberto estão as duas únicas que ele gravou, Lígia e Insensatez, além de Eu Sei Que Vou te Amar. O roteiro de Caetano tem Meditação (que ele também gravou) e Por Toda a Minha Vida. Só "punhalada". "Mas não conto para não estragar a graça da surpresa", diz Felipe Hirsch, que divide o trabalho de direção com Monique Gardenberg. Ambos exaltam o fato de tudo estar fluindo em clima de dedicação e colaboração absolutas "em função de Tom Jobim". "Até fecharmos o projeto, tinha esperança mínima de que Roberto aceitasse cantar um repertório que não fosse dele", diz Monique. "Mas foi ótimo, ele é um doce, como Caetano." Roberto é perfeccionista em detalhes, o que pode dar mais trabalho para a produção, mas o público tem a ganhar com resultados impecáveis. Ele e Caetano fizeram cinco ensaios até quinta-feira, quando se encontraram para mais um. Outros perfeccionistas, como Daniela Thomas e Beto Bruel, cuidam da cenografia (com projeções de imagens da natureza) e da iluminação. Nada, porém, segundo Hirsch e Monique, vai tirar o foco da principal atração do show: a música de Jobim.

Mais conteúdo sobre:
música Roberto Carlos Caetano Veloso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.